Técnica inovadora dá esperança para pacientes com leucemia

Veja a matéria completa sobre Técnica inovadora dá esperança para pacientes com leucemia e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.

BBC

Novas terapias e combinações de formas de tratamento dão esperança a diferentes grupos de pacientes com leucemia. De acordo com pesquisadores, não existe um modo único de tratar o câncer no glóbulos brancos do sangue, o tratamento vai estar muito ligado ao tipo de leucemia e ao tipo de paciente.

Nos últimos anos, o que se viu não foi só a melhora global do tratamento contra a doença, mais também a inovação em terapias para subgrupos de pacientes tradicionalmente mais vulneráveis como idosos, pacientes com mutações genéticas mais agressivas e também um avanço no tratamento para adolescentes e jovens adultos. Os resultados são muito positivos.

Leia também:

Pesquisas com imunoterapia têm bons resultados no combate a leucemia e linfoma
Desenganado por médicos, adolescente se recupera de dois tipos de câncer

Estudos apresentados na reunião da Sociedade Americana de Hematologia, em San Francisco (EUA), sugerem que a combinação de novos agentes na quimioterapia podem ser eficazes no tratamento de pacientes jovens recém-diagnosticados ou idosos com leucemia aguda.

Outras pesquisas apontam que adolescentes e adultos jovens podem responder melhor ao tratamento com um regime de quimioterapia comum a crianças, em vez de com regimes adultos padrão.

Para David Steensma, moderador da mesa de debates e pesquisador do Instituto de Câncer Dana-Faber, em Boston (EUA), o estudo realizado por Eytan M. Stein, oncologista do Memorial Sloan Kettering Cancer Center é muito inovador.

Aproximadamente 15% dos pacientes de leucemia mielóide aguda têm uma forma mutante do gene IDH2. O gene normalmente faz com que uma proteína desempenhe um papel fundamental no metabolismo celular. No entanto, quando o gene está mutado, um processo faz com que os glóbulos brancos se acumulem, ocasionando a leucemia aguda.

O grupo de Stein conseguiu desenvolver uma droga que bloqueia este processo fazendo com que os glóbulos brancos se desenvolvam normalmente. O estudo foi feito com 45 pacientes com este tipo de doença. “Os resultados preliminares neste tipo de paciente difícil de tratar demonstram que ao inibir o gene mutante podemos transformar celulas de leucemia em células saudáveis e erradicar a doença sem o uso da quimioterapia. Ao direcionarmos o tratamento para gene específico da doença, conseguimos aumentar a eficácia, aumentando a expectativa de vida do paciente e minimizando a toxicidade do tratamento”, afirma Stein.

Quando menos é mais

Um estudo realizado com 296 pacientes entre 16 e 39 anos com Leucemia linfóide aguda – doença caracterizada pela produção maligna de linfócitos imaturos na medula óssea – mostrou o tratamento pediátrico também é indicado para adolescentes e jovens adultos. Após dois anos de acompanhamento, 78% dos pacientes sobreviveram e 66% não tiveram recidiva.

Saiba: Imunoterapia contra câncer é escolhida como o maior avanço científico do ano

Normalmente, apenas 39% dos pacientes nestas faixas etárias (16-39) sobrevivem (e sem recidiva), seguindo o tratamento tradicional.

“Os resultados mostram que existe uma oportunidade de melhorarmos o tratamento de adolescentes e jovens adultos ao se seguir o protocolo de tratamento pediátrico. O próximo passo é focar a pesquisa em novas avaliações sobre a combinação de tratamento para reduzir a doença residual nesses pacientes”, afirma a autora do estudo Wendy Stock, da Universidade de Chicago.

“O que vemos hoje é que as coisas estão melhorando [para o tratamento da leucemia]. Não de forma uniforme e para todo o tipo de paciente. Mas muitos ainda são tratados com quimioterapia sem obter sucesso. É sem dúvidas muito interessante ver que existe cada vez mais novos tratamentos posssíveis”, afirma David Steensma, moderador da mesa de debates e pesquisador do Instituto de Câncer Dana-Faber, em Boston (EUA).

Steensma acredita que o desafio de médicos e pesquisadores será em entender cada vez mais distinguir como os vários subtipos da leucemia pode afetar determinados pacientes para que novas abordagens sejam criadas.

* a repórter viajou a convite da Celgene

Confira alimentos que previnem contra o câncer:

Abacate: rico em ácidos-graxos poli-insaturados e em vitaminas do grupo B, essenciais no combate ao câncer . Foto: Getty ImagesA abobrinha é rica em carotenoides, substâncias potentes contra o câncer. Foto: Getty ImagesO agrião contém compostos índoles, conhecidos por sua capacidade anticancerígena. Foto: Getty ImagesA alcachofra contém inulina, um prebiótico importante contra o aparecimento de câncer do trato gastronintestinal. Foto: Getty ImagesO alho é rico em compostos sulfurados, que inibe o metabolismo da célula cancerosa. Foto: Getty ImagesComposto em sua maioria de ácidos-graxos, o azeite é rico em ômega-3, importante antioxidante e, por isso, anticancerígeno. Foto: Getty Imagesx. Foto: Getty ImagesAlém de ácidos-graxos, a azeitona verde contém ácidos fenólicos, poderosos antioxidantes. Foto: Getty ImagesA beterraba contém antocianinas, um flavonoide antioxidante e anticancerígeno . Foto: Getty ImagesO brócolis tem folato, que tem propriedade anticancerígena. Foto: Getty ImagesA cebola branca contém selênio, rico em antioxidantes e, portanto, anticancerígeno. Foto: Getty ImagesA uva contém polifenóis, entre eles o resveratrol, que protege as células dos danos oxidativos causados pelos radicais livres. Foto: Getty ImagesA semente de girassol é rica em proteína e fibra, essa última um poderoso anticancerígeno. Foto: Getty ImagesA salsa é rica em vitamina C e cálcio, que evitam a proliferação dos radicais livres . Foto: Getty ImagesO tofu contém fitoestrogênios, que interferem no crescimento do câncer, principalmente o de mama. Foto: Getty ImagesA rúcula é uma ótima fonte de quercetina e carotenoides, poderosos antioxidantes e anticancerígenos. Foto: Getty ImagesA romã contém elagitaninos, poderosos antioxidantes - logo, um anticancerígeno natural. Foto: Getty ImagesA quinoa, grão originário dos andes e rico em proteínas, contém também fibras insolúveis, que protegem contra o câncer. Foto: Getty ImagesPimentão tem bioflavonoides, agentes antioxidantes . Foto: Getty ImagesA pimenta contém piperina, substância com ação anti-inflamatória, que inibe o crescimento do câncer. Foto: ThinkstockA melancia tem licopeno, um antioxidante que pode reduzir o risco de câncer. Foto: Getty ImagesO pão integral é rico em fibras, capazes de diminuir as chances de desenvolver câncer de intestino. Foto: Thinkstock/Getty ImagesO mel é rico em enzimas antioxidantes, potentes contra o câncer. Foto: Getty ImagesO kiwi tem luteína, substância com propriedades antioxidantes e, portanto, anticancerígena. Foto: Getty ImagesA maçã contém quercetina, um flavonóide potente contra o câncer. Foto: Getty ImagesA lentilha é uma ótima fonte de proteína vegetal e um poderoso anticancerígeno. Foto: Getty ImagesAlém de antisséptico, a menta é uma ótima fonte de antioxidantes. Foto: Getty ImagesAs nozes contêm ômega-3. Esse ácido-graxo é eficaz na proteção contra o câncer . Foto: Getty ImagesO ovo é rico em zeaxantina e luteína, dois importantes antioxidantes, que evitam a doença. Foto: Thinkstock/Getty ImagesO gengibre tem um alto teor de vitamina C, que é capaz de levar as células cancerígenas à morte. Foto: Getty ImagesA cúrcuma contém curcumina, substância anti-inflamatória e antioxidante. Foto: Getty ImagesA couve-flor é rica em compostos índoles, que protege contra o surgimento de câncer, principalmente de mama. Foto: Getty ImagesAssim como a couve-flor, a couve-manteiga contém compostos índoles, que protegem contra o câncer. Foto: Getty ImagesO chá verde contém epigalocatequina, um composto semelhante aos flavonóides, que ajuda na prevenção do câncer . Foto: Getty Images


O artigo Técnica inovadora dá esperança para pacientes com leucemia foi originalmente publicado em http://ig.saude.feedsportal.com/c/33518/f/637141/s/414ed15e/sc/14/l/0Lsaude0Big0N0Bbr0Cminhasaude0C20A140E120E10A0Ctecnica0Einovadora0Eda0Eesperanca0Epara0Epacientes0Ecom0Eleucemia0Bhtml/story01.htm

Deixe uma resposta