Infecções podem afetar a inteligência, diz estudo

Veja a matéria completa sobre Infecções podem afetar a inteligência, diz estudo e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.

Novo estudo dinamarquês mostra que infecções podem diminuir a capacidade cognitiva medida por meio do QI. O estudo é o maior já feito do gênero, e mostra uma correlação clara entre níveis de infecção e dificuldade de cognição.

Qualquer um pode sofrer uma infeção, como, por exemplo, no estômago, no trato urinário ou na pele. Esse estudo mostra, no entanto, que o sofrimento de um paciente não necessariamente acaba ao final do tratamento do problema. Na verdade, as infecções subsequentes podem afetar a inteligência do paciente, mensurada por um teste de QI.

Estudo foi feito a partir do registo nacional de rastreamento de 190 mil dinamarqueses nascidos entre 1974 e 1994 e que tiveram o QI avaliado entre 2006 e 2012
Thinkstock/Getty Images

“Nossa pesquisa mostra uma correlação entre a internação por infecção e a cognição prejudicada, que corresponde a um QI 1,76 menor do que a média. Pessoas com cinco ou mais internações em hospitais por infecção tiveram um QI 9,44 menor do que a média. O estudo mostra, assim, uma relação evidente entre o número de infecções e o efeito sobre a capacidade cognitiva, que é afetada de acordo com a proximidade temporal da última infecção e também com a gravidade do episódio”, disse, em nota, Michael Eriksen Benró, do Centro Nacional de Registros e Pesquisas ligado à Universidade de Copenhage.

“As infecções no cérebro afetam a habilidade cognitiva, mas muitos outros tipos de infecções severas, aquelas que demandam hospitalização, também podem diminuir a habilidade cognitiva do paciente. Além disso, parece que o próprio sistema imune pode afetar o sério de tal forma que o QI continuará deficiente, mesmo muitos anos depois que a infecção foi curada”, explicou ele.

Michael conduziu o estudo com a colaboração de pesquisadores da Universidade de Copenhage e da Universidade Aarhus.

>> Mais: 16 alimentos que turbinam a inteligência

Carne: os alimentos de origem animal são as principais fontes de ferro. Opte por cortes mais saudáveis, como a alcatra, que é menos calórica. Foto: Getty ImagesCoentro: dizem que é o segredo de todas as cozinheiras. Para os nutricionistas, o coentro diminui a quantidade de açúcar no sangue e oferece ferro ao corpo. Foto: Getty ImagesCastanha de caju: é calórica, mas consumida com moderação ajuda no funcionamento do intestino, da memória e na sensação de saciedade. Foto: Getty ImagesHortelã: além de agregar sabor e aroma nos pratos, a hortelã alivia o cansaço e ajuda a manter o corpo alerta. Foto: Getty ImagesFeijão: uma das principais fontes de ferro no cardápio do brasileiro, amplia a sensação de saciedade e turbina as funções cerebrais. Foto: Thinkstock/Getty ImagesTofu: com poucas calorias, ele não compromete a dieta e pode ser utilizado em lanches e saladas. Foto: Getty ImagesPinhão: não precisa comer só na festa junina. Ele ajuda na concentração, nas defesas do organismo, e cada unidade tem só 12 calorias. Foto: Rita GrimmNozes: rica em antioxidantes, ajuda a manter o cérebro jovem e também faz bem ao coração. Foto: Getty ImagesEspinafre: rico em ferro, o alimento reforça os músculos e o cérebro. A hortaliça melhora o desempenho de todas as células do corpo. Foto: Getty ImagesSoja: queridinha dos nutricionistas, rica em ferro e zinco, ela ainda melhora o humor e alivia os calores da menopausa. Foto: Thinkstock PhotosErvilha: também rica em zinco, ela pode compor saladas e pratos quentes, além de colorir a refeição e facilitar o consumo pelas crianças. Foto: Getty ImagesGrão-de-bico: a leguminosa é rica em zinco, ajuda a limpar o organismo e amplia a sensação de saciedade. Foto: Getty ImagesOvo: um dos alimentos mais ricos em zinco. Ele é versátil e fácil de ser preparado. Só cuidado para não adicionar sal em excesso no preparo. Foto: Getty ImagesAveia: outro cereal indicado para a memória que ainda ajuda no bom funcionamento do organismo. Foto: Getty ImagesGranola: o cereal é outra fonte de selênio. Cautela apenas com os industrializados, ricos em açúcar e sódio, que dificultam a absorção nutricional. Foto: ReproduçãoCastanha-do-pará: é o alimento brasileiro mais rico em selênio. Uma única castanha já fornece a dose ideal do nutriente para um dia. Foto: Getty Images

QI após a infecção

O estudo foi feito a partir do registo nacional de rastreamento de 190 mil dinamarqueses nascidos entre 1974 e 1994 e que tiveram o QI avaliado entre 2006 e 2012. Desses indivíduos, 35% tiveram infecções antes que o teste fosse conduzido.

De acordo com Benrós, “infecções podem afetar o cérebro diretamente, mas também por meio de inflamação periférica, que afeta o órgão e nossa capacidade mental. As infecções têm sido previamente associadas com depressão e esquizofrenia, e também foi provado que podem afetar a capacidade cognitiva de pacientes que sofrem de demência. Este é o maior estudo para sugerir que infecções podem também afetar o cérebro de pessoas saudáveis”, disse ele.

Leia também:
Conheça os sinais de infecção urinária
Estudo aponta como tratar pacientes com infecção generalizada

Segundo o especialista, é possível ver que o cérebro é afetado por todos os tipos de infecções. “Portanto, é importante que mais pesquisas sejam conduzidas sobre esses mecanismos que ligam o sistema imune com a saúde mental”.

Ele espera que aprender mais sobre essa conexão ajudará a prevenir o comprometimento mental das pessoas e aumentar as chances de um tratamento no futuro.

Experimentos em animais mostraram, anteriormente, que o sistema imunológico pode afetar a inteligência, e estudos menores – mas mais recentes – em humanos também têm apontado nessa direção. Normalmente, o cérebro é protegido do sistema imunológico, mas, com infecções e inflamações, pode ser afetado.

A pesquisa de Benrós sugere que o sistema imune seja o causador dessa queda na inteligência, e não somente a infecção, porque muitos tipos diferentes de infecções foram associados com a diminuição do QI.

Os pesquisadores também esperam que os resultados possam estimular a investigação de possíveis envolvimentos do sistema imune com o desenvolvimento de problemas psiquiátricos.

LEIA MAIS NOTÍCIAS DE SAÚDE

O artigo Infecções podem afetar a inteligência, diz estudo foi originalmente publicado em http://ig.saude.feedsportal.com/c/33518/f/637141/s/46e4745d/sc/24/l/0Lsaude0Big0N0Bbr0Cminhasaude0C20A150E0A60E0A30Cinfeccoes0Epodem0Eafetar0Ea0Einteligencia0Ediz0Eestudo0Bhtml/story01.htm

Deixe uma resposta