De Adolesente a Jovem Adulta – Dores e Conquistas

A matéria De Adolesente a Jovem Adulta – Dores e Conquistas
você lê em detalhes aqui, ou confira mais notícias sobre Moda, Saúde e Beleza em Produtos de Beleza.

Eu recebi uma mensagem de uma leitora que muito me tocou e me fez pensar na vida e na responsabilidade que tenho com as tantas pessoas anônimas que visitam o site diariamente. Antes de continuar, vou dividir a mensagem com vocês:

Meus Agradecimentos ao PB

Adolescência, o que para uns é a melhor fase da vida, para outro se torna motivo de angústia. Na fase onde a aparência é tudo, a beleza interior é o que menos importa. Bom, devem estar se perguntando “mas o que o PB tem a ver com isso?”, vou começar do inicio para vocês entenderam um pouco da minha historia.

Quando criança sofri bullying na escola por ser gordinha, as outras crianças me davam apelidos “carinhosos” (baleia, botijão…), na hora eu até ria pra não ficar sem graça, mais por dentro era como se eu tivesse levado uma facada.

Só pra constar, o pior de quando se sofre bullying, não é quando alguém diz que você é gorda, feia…, é quando você mesma aprende a se discriminar, você aprende a olhar apenas os seus defeitos e se esquece das suas qualidades.

Quando você não tem auto-estima, você deixa de se preocupar com a aparência, foi o que aconteceu comigo. Sempre usava a primeira roupa que achava no guarda roupa (por ser gorda achava que nada ficaria bom em mim), não arrumava o cabelo, resumindo, era totalmente relaxada.

Porém, isso mudou totalmente quando conheci o PB (não me lembro especificamente a data, mais foi o ano passado), em um belo dia, enquanto procurava no google uma solução para acabar com acne (sofro com o mal da acne desde os 10 anos), encontrei o PB, e foi amor a primeira vista rsrsr.

A minha auto-estima melhorou (e muito) graças ao PB, aprendi a me maquiar, a me vestir melhor, passei a fazer o cabelo e as unhas toda semana (tadinho do meu pai, vive reclamando que gasta um fortuna comigo rsrsr), resumindo (de novo rs), me tornei mais feminina, mais vaidosa e consequentemente agora me acho mais bonita e passei a enxergar as minhas qualidades.

Por conta disso resolvi fazer esse texto, para agradecer a essas mulheres lindas (e escritoras incríveis): a Ju, a Bru e a Lô, pela mudança que elas representam na minha vida, mesmo sem saberem rsrsr. Há vocês o meu sincero OBRIGADO!!!!!!!!

Agradeço também a essas lindas leitoras, aprendi (e continuo aprendendo) muito com vocês.

Não costumo comentar muito, mais quero dizer que visito o blog diariamente,espero continuar sempre aprendendo mais e mais com vocês.

Beijossss, fiquem com DEUS e OBRIGADA (mais um a vez) por tudo, serei eternamente grata a vocês.

Camilla, 16 anos

Esta história ressonou muito comigo e provavelmente com muitas de vocês. Acredito que sofrer na adolescência por um motivo ou outro não é nenhuma novidade. Também posso atestar que fui vítima de bullying como a Camilla. Mas eu vejo o que houve de maneira diferente.

Eu sempre usei óculos daqueles de fundo de garrafa e eu sempre fui muito magricela! É claro que os moleques da escola, que mexiam com TODO mundo que era um pouquinho diferente, me xingavam de quatro olhos, varapal, pernas de linguini, etc… é claro que eu me sentia mal, mas eu sempre xingava os moleques de volta!

Todo mundo aos 13, 14 anos tem suas inseguranças e seus defeitos, inclusive os garotos. Eu as tinha, mas sabia que meus colegas de sala também sofriam com suas aparências. Tinha um moleque especialmente chato, chamado Flávio, que adorava me xingar e me encher o saco, não só de mim, mas de várias outras meninas, das gordinhas, das mais altas, das que tinham cabelo pixaim, seios grandes, bunda chata, etc.

Eu escrevia redações sobre esse monstro chamado Flávio que tinha dentes gigantes (como o próprio moleque), que era burro, que babava… eu lia as redações em voz alta e a turma inteira caía na risada. As redações eram as minhas armas e eu adorava escrever, ganhei até prêmios na época.

Eu nunca fui nerd, apesar dos óculos… eu sempre tinha amigas e amigos e sempre era líder de grupos, organizava as festinhas e era animada. Eu tinha uma confiança incrível em mim mesma, que hoje eu até invejo. Sim, as vezes eu chorava e rezava para que meu corpo franzino criasse umas curvas, para me livrasse dos óculos… mas no dia seguinte, na escola nunca deixava ninguém saber que essas coisas me incomodavam.

Aos 14 anos eu comecei a ter acne. Nunca tive um caso severo, mas eu espremia e aquilo me incomodava muito. Foi então que descobri maquiagem. Passei a não mais viver sem base e corretivo.

Aos 15 anos eu ganhei minhas lentes de contato! Ah, eu me tornei outra pessoa! Minha miopia é tão severa que eu não consigo ver nada a não ser que seja beeeem de pertinho, eu não consigo nem sequer ver meu rosto inteiro. Quando pus minhas lentes pela primeira vez, pude ver meu rosto completo refletido no espelho pela primeira vez, um milagre!

Eu me achei bonita… era incrível finalmente poder me ver, me admirar. A maquiagem se tornou ainda mais minha grande aliada! Eu escondia as espinhas, passava lápis, rímel, batom e ia para a escola.

Minha auto-confiança era tão grande, que eu até tinha muitos admiradores. Comecei a namorar bastante, usar roupinhas mais ousadas, aprontar todas com a minha melhor amiga, Lígia. Me diverti muito! Um dia, em uma boite lá de Uberlândia eu vi o moleque Flávio, meu grande inimigo. Ele se aproximou de mim e me deu uma cantada, não havia me reconhecido!

Eu logo tirei um grande sarro da cara dele e lhe dei o maior fora, dizendo por fim ser aquela magrela quatro olhos que ele tanto atormentava da sétima série. Ele riu, se desculpou e eu saí contente da vida deliciando o sabor da vingança que saboreei fria, anos depois…

Ter sido bullyed me deu força para rebater, para cuidar de mim mesma, me fez conquistar meu senso de independência. E desde então foi o que fiz na vida. Corri atrás do que queria, do carinha mais gato da festa a morar fora sozinha aos 18 anos. Eu fui à luta.

Foi difícil, é difícil, mas eu me sinto segura e confiante de sempre poder contar comigo mesma para resolver meus próprios problemas. Se você sofre com bullying, não seja uma vítima, faça disso uma oportunidade para que você descubra uma força tremenda dentro de você que lhe fará vencer. Seja forte e nunca duvide de seu potencial, de sua beleza!

Não digo que venci na vida, mas afirmo que venci os bullies e desenvolvi músculos mentais para continuar lutando contra os tantos monstros babões que ainda nos assustam pós adolescência.

Obrigada a você Camilla e todas as nossas leitoras pelos votos de confiança e por nos tornar parte de suas vidas! Beijos

Maquiadora e cabeleireira nas horas vagas, blogueira e professora de inglês. Adoro o estilo dos anos 60, músicas dos Beatles, Xbox 360, política de esquerda e filmes de terror.

Artigos Relacionados:

O artigo De Adolesente a Jovem Adulta – Dores e Conquistas
foi originalmente publicado em http://www.produtosdebeleza.com/de-adolesente-a-jovem-adulta-dores-e-conquistas.html

Deixe uma resposta