Aumenta tempo de espera para novos remédios chegarem ao mercado

Veja a matéria completa sobre Aumenta tempo de espera para novos remédios chegarem ao mercado e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.

Agência Brasil

Getty Images

Estudo desenvolvido pela Associação de Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma) atribui à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) o aumento da demora para novos medicamentos chegarem ao mercado. A espera pode ser de dois anos.

Indústria recruta obesos para produzir remédios mais eficazes

Para a associação, que representa fabricantes de 78% dos medicamentos de referência (de marca) no Brasil, a Anvisa ampliou a burocracia.

O estudo, feito com base em dados disponíveis no sistema Datavisa (da Anvisa) entre agosto de 2011 e agosto de 2012 , concluiu que o tempo para a liberação do uso de remédios cresce  progressivamente.

De acordo com a Interfarma, para medicamentos novos, sem versões genéricas ou similares, o prazo de espera passou de sete meses para 1 ano e quatro meses, no período da pesquisa.

Os medicamentos biológicos, usados no tratamento de doenças como câncer
e artrite reumatoide,
podem demorar mais de um ano para terem a comercialização liberada pela Anvisa. Remédios similares e genéricos, alternativas mais baratas para o consumidor, são recordistas de espera, podendo chegar a dois anos na fila para conseguirem autorização.

Em reunião nesta quarta-feira (3) com a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffman, representantes da Interfarma entregaram uma carta pedindo uma solução para a demora.

Saiba como são as remédios do futuro

Para a associação, o ponto crítico é a burocracia. “Temos muito orgulho do trabalho que vem sendo desenvolvido pela Anvisa e não queremos que a vigilância seja menor. Queremos mais vigilância sobre o essencial, que é o exame dos produtos e a inspeção de fábricas, com menor burocracia”, afirma, em nota, o presidente executivo da Interfarma, Antônio Britto.

A Associação Brasileira de Organizações Representativas de Pesquisas Clínicas (Abraco) também entrou no embate e fez uma pesquisa nos 40 estudos clínicos (pesquisas que avaliam a eficácia de novos fármacos) que aguardam aprovação no Brasil. 

Vacinas que não doem? Será possível no futuro

O levantamento revelou que, atualmente, 2.550 pacientes poderiam ser beneficiados e teriam chances de iniciarem o tratamento por meio da análise de novos medicamentos. Segundo a entidade, deste total, cerca de 200 são pacientes pediátricos e 290 precisam de medicamentos destinados a enfermidades raras e graves.

A análise mostra também que, das pesquisas ainda paradas, a maioria se destina a pacientes de oncologia (645 pacientes), seguida de cardiologia e diabetes tipo II (450), endocrinologia e metabolismo (431), infectologia (368), oftalmologia (175) e pneumologia (144).

Cura do câncer nas mãos de 2.500 pacientes

“Esse mapeamento é importante para alertar os órgãos competentes sobre a necessidade de agilizar a aprovação dos estudos, que hoje ainda é lenta por demorar quase um ano para ser iniciada. A morosidade é um dos principais entraves à realização de estudos clínicos com pacientes brasileiros”, afirma Daniel Lang, presidente da Abraco.

Procurada, a Anvisa ainda não se manifestou sobre o tema.

O artigo Aumenta tempo de espera para novos remédios chegarem ao mercado foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/minhasaude/2012-10-03/aumenta-tempo-de-espera-para-novos-remedios-chegarem-ao-mercado.html

Deixe uma resposta