Whole30: saiba tudo sobre o método que promete menos quilos e mais saúde em um mês – em Dieta de emergência

A ideia do método é eliminar, ao longo de 30 dias, os alimentos que a ciência e a experiência clínica dos nutricionistas têm mostrado como problemáticos ao organismo. Saiba tudo sobre o Whole30

Por Daniel Navas | Adaptação Ana Paula Ferreira



Açúcar, álcool, grãos, leguminosas e leites e derivados são considerados alimentos

problemáticos no médoto Whole30 / Foto Shutterstock

Muitas vezes, mesmo seguindo um cardápio considerado saudável, a sensação de inchaço permanece, as espinhas teimam em aparecer e falta disposição no dia a dia. Afinal, não é porque a alimentação é natural que não pode trazer problemas ao organismo. Foi baseada nisso a criação do método Whole30. “Não se trata de uma dieta, mas de um estilo de vida”, define Melissa Hartwig, nutricionista esportiva e autora do livro Whole30 – 30 dias para mudar (Ed. Sextante). “É como apertar o botão de reiniciar da sua saúde, hábitos e relacionamento com os alimentos.”

A ideia do método é eliminar, ao longo de 30 dias, os alimentos que a ciência e a experiência clínica dos nutricionistas têm mostrado como problemáticos ao organismo: aqueles que podem influenciar de forma negativa a energia, o sono, o humor e a atenção, além do desempenho na academia e da recuperação pós-treino. “Também eliminamos aqueles alimentos que causam má digestão, inchaço, alergias ou enxaquecas e que atrapalhem a saúde da pele, do cabelo e das unhas”, acrescenta Melissa.

O que entra e o que sai

Os elementos considerados problemáticos são açúcar, álcool, grãos, leguminosas  (feijões, ervilha, soja ou amendoim), leites e seus derivados. Mas é bom entender que esses alimentos podem ser incluídos de volta na dieta sem medo mais tarde (se não causarem desconforto). Está liberado o consumo de carnes, frutos do mar e ovos em porções moderadas em cada refeição. “É indicado manter o equilíbrio em quantidades de folhas, legumes, frutas e gorduras naturais. Para temperar, ervas frescas e especiarias”, conta Melissa.


Alívio para a balança

Sabe aquela história de contar calorias ou pesar o alimento? Isso não existe aqui. “A recomendação é fazer três ou quatro refeições por dia, sem lanches intermediários”, conta a nutricionista. Seguindo esse método, Melissa afirma que as chances de perda de peso são enormes: de 2 a 6 kg até o fim dos 30 dias. “O programa muda o paladar, elimina a ansiedade, melhora o metabolismo e regula os níveis de açúcar no sangue, além de ajudar a curar o aparelho digestivo e fortalecer o sistema imunológico. Tudo isso facilita o extermínio das calorias”, finaliza.

Depois de um mês 

No final dos 30 dias, você reintroduz os alimentos aos poucos, ficando de olho nas reações do seu corpo. Se a energia não é mais a mesma, o sono piorou, você está se sentindo inchada ou as espinhas voltaram, acaba de descobrir que não pode ingerir aquele determinado elemen¬to. “Pense no Whole30 como um experimento pessoal, projetado para ajudá-la a descobrir como a comida que você está ingerindo afeta o seu corpo”, comenta Melissa Hartwig. 

As esportistas agradecem 

No Brasil, o programa começou a ficar popular entre os praticantes de crossfit, que lançaram competições em boxes do país inteiro por melhores resultados de performance e transformação corporal. Como o Whole30 é considerado uma dieta anti-inflamatória, é natural que renda inúmeras vantagens dentro da academia, como a melhora no desempenho e a rápida recuperação pós-exercício.

A nutricionista Laís Murta, de São Paulo, adaptou o método para a CORPO. Lembre-se que a ideia é fazer apenas as refeições principais, sem lanches intermediários: 

O artigo Whole30: saiba tudo sobre o método que promete menos quilos e mais saúde em um mês – em Dieta de emergência
foi originalmente publicado em http://corpoacorpo.uol.com.br/dieta/dieta/dieta-de-emergencia/whole30-saiba-tudo-sobre-o-metodo-que-promete-menos-quilos-e-mais-saude-em-um-mes/11414

Deixe uma resposta