Troca de dietas entre americanos e africanos mostra efeito negativo da junk food

Veja a matéria completa sobre Troca de dietas entre americanos e africanos mostra efeito negativo da junk food e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.

BBC

Uma experiência na qual americanos trocaram de dieta com africanos durante duas semanas demonstrou como a alimentação ocidental pode ser prejudicial à saúde.

Estudo: Cérebro é programado para odiar dietas

Africanos que consumiram mais 'junk food' tiveram mais problemas intestinais

Thinkstock

Entenda: Por que os conselhos sobre alimentação mudam tanto?

Os pesquisadores americanos pediram para 20 voluntários dos Estados Unidos aderir a uma dieta com pouca gordura e rica em fibras. Enquanto isso, 20 voluntários da região rural da África começaram a consumir mais junk food.

Apesar de a experiência ter durado apenas duas semanas, o impacto foi visível. Os americanos foram beneficiados com menos inflamações no intestino. Mas, os africanos começaram a apresentar mais problemas intestinais.

Especialistas alertam que não é possível tirar conclusões mais firmes com base em um estudo tão pequeno. Mas, as descobertas dão base para a crença de que as dietas ocidentais modernas, que têm muita gordura e açúcar e pouca fibra, fazem mal à saúde.

Outros estudos, envolvendo imigrantes japoneses que foram para o Havaí, mostraram que em apenas uma geração de ocidentalização a incidência de câncer em uma parte do intestino grosso (cólon) aumentou, ficando

E as pesquisas também mostram que o alto consumo de fibras, particularmente cereais e grãos integrais, reduz o risco de câncer no intestino. Mas, o alto consumo de carne vermelha ou processada aumenta este risco.

Hambúrguer e batata frita

No estudo, os voluntários africanos consumiram a dieta típica de junk food, hambúrguer e batata frita. Os voluntários americanos consumiram muitos tipos de feijões e leguminosas. Todos os participantes fizeram exames médicos antes e depois da mudança de dieta.

Veja dietas malucas das celebridades

Beyoncé: para voltar à forma depois de gravidez ela tomava limonada com pimenta caiena e xarope de bordo nove vezes ao dia. Foto: Getty ImagesCameron Diaz: a atriz nunca teve problemas com peso e mesmo assim trocou comidas industrializadas ou ricas em gorduras, farinhas e açúcares por alimentos saudáveis. Foto: Getty ImagesMarilyn Monroe: a diva passava seus dias comendo ovos crus no leite, cenouras, carne e milk-shake com calda de chocolate. Foto: ReproduçãoJackeline Kennedy: a mulher de JFK costumava comer uma batata assada coberta com creme azedo e caviar beluga por dia. E só. Foto: ReproduçãoGwyneth Paltrow: intolerante a lácteos e glúten, ela eliminou leite, pães e carne vermelha da dieta e focou em alimentos saudáveis...e caros. Foto: Getty ImagesMadonna: adepta da macrobiótica, a cantora eliminou açúcar, trigo, carnes, ovos e derivados de leite da dieta e trocou todos esses produtos por... algas marinhas. Foto: Getty ImagesVictoria Beckham: adepta da dieta alcalina, a ex-Spice Girl come em porções extremamente pequenas e se diz satisfeita com isso. Foto: Getty ImagesElizabeth Taylor: a atriz gostava de misturas estranhas como atum com pasta de tomate, cebolinha, grapefruit e maionese. Foto: ReproduçãoDolly Parton: a cantora usa a ingestão de sopa de repolho por uma semana para perder peso. Foto: Getty ImagesGreta Garbo: era fã da restrição calórica. No café da manhã costumava comer ovos crus batidos com suco de laranja. Foto: ReproduçãoCarmelo Anthony: jogador do Knicks segue um regime baseado em jejuns intercalados com o consumo intenso de vegetais. Foto: Getty ImagesKarl Lagerfeld: dieta com alimentos exóticos, como codornas e dez Cocas Diet ao dia, fez escritora abandonar o regime no quarto dia. Foto: Getty ImagesPippa Middleton: a irmã da princesa Kate enxugou a silhueta com a dieta Dukan, que alterna o consumo exclusivo de proteínas com proteínas e vegetais. Foto: Getty ImagesSophia Loren: o regime da atriz é composto basicamente por deliciosas receitas de macarrão, ingeridas em porções muito pequenas. Foto: Getty Images

A troca de dieta parece ter causado mudanças significativas nas células que forram o intestino e também mudanças nas bactérias que povoam o intestino. As mudanças para melhor ocorreram entre os voluntários americanos.

“Em apenas duas semanas, uma mudança na dieta, de uma composição ocidentalizada para uma dieta tradicional africana rica em fibras e com pouca gordura, reduziu estes biomarcadores (que indicam) risco de câner, indicando que provavelmente nunca é tarde para mudar o risco de câncer no cólon”, afirmou Stephen O’Keefe, o pesquisador que liderou a pesquisa da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos.

Especialistas estimam que até um terço dos casos deste tipo de câncer poderiam ser evitados se as pessoas adotassem uma dieta mais saudável.

Para um porta-voz da instituição de caridade britânica especializada no combate ao câncer Cancer Research UK, ainda são necessários estudos maiores e mais extensos para chegar a uma conclusão mais definitiva sobre a mudança de hábitos alimentares.

“A troca de dieta também foi muito drástica, já sabemos que fazer pequenas mudanças as quais você pode manter no longo prazo é muito mais eficaz para manter um estilo de vida mais saudável.”

O artigo Troca de dietas entre americanos e africanos mostra efeito negativo da junk food foi originalmente publicado em http://ig.saude.feedsportal.com/c/33518/f/637141/s/45eaa02e/sc/19/l/0Lsaude0Big0N0Bbr0Cminhasaude0C20A150E0A50E0A10Ctroca0Ede0Edietas0Eentre0Eamericanos0Ee0Eafricanos0Emostra0Eefeito0Enegativo0Eda0Ejunk0Efood0Bhtml/story01.htm

Deixe uma resposta