SP e Rio antecipam aplicação de vacinas fracionadas contra febre amarela

Veja a matéria completa sobre SP e Rio antecipam aplicação de vacinas fracionadas contra febre amarela e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.


Vacinação fracionada contra febre amarela em São Paulo e Rio de Janeiro será antecipada em uma semana

RENAN VIANA/ASCOM UEPA.BELÉM/Divulgação

Os governos do Rio de Janeiro e São Paulo decidiram antecipar para o dia 25 de janeiro o início do fracionamento das doses de vacina contra febre amarela. A antecipação ampliará a campanha de imunização para 24 dias.

Leia também: Vacina é segura? Repelente ajuda? Tire todas as dúvidas sobre a febre amarela

Essa é a segunda vez que São Paulo anuncia mudança na data da campanha de vacinação contra a febre amarela
, que estava marcada para 3 de fevereiro e depois foi modificada para dia 29
, antes de decidir pelo dia 25. “Agora, o importante é não ter pânico e correria, toda população deverá ser vacinada até o fim do ano”, afirmou o governador, Geraldo Alckmin (PSDB).

A medida não valerá para a capital, que começará a vacinação
no dia 26, já que 25 é feriado de aniversário da cidade.

A campanha será realizada em 54 municípios paulistas, e a meta é imunizar 8,3 milhões de pessoas até o dia 17 de fevereiro, quando é encerrada a ação. Confira abaixo a lista de locais onde as vacinas fracionadas serão administradas:

  1. Aparecida
  2. Arapeí
  3. Areias
  4. Bananal
  5. Bertioga
  6. Caçapava
  7. Cachoeira Paulista
  8. Canas
  9. Caraguatatuba
  10. Cruzeiro
  11. Cubatão
  12. Cunha
  13. Diadema
  14. Guaratinguetá
  15. Guarujá
  16. Igaratá
  17. Ilhabela
  18. Itanhaém
  19. Jacareí
  20. Jambeiro
  21. Lagoinha
  22. Lavrinhas
  23. Lorena
  24. Mauá
  25. Mongaguá
  26. Monteiro Lobato
  27. Natividade da Serra
  28. Paraibuna
  29. Peruíbe
  30. Pindamonhangaba
  31. Piquete
  32. Potim
  33. Praia Grande
  34. Queluz
  35. Redenção da Serra
  36. Ribeirão Pires
  37. Rio Grande da Serra
  38. Roseira
  39. Santa Branca
  40. Santo André
  41. Santos
  42. São Bento do Sapucaí
  43. São Bernardo do Campo
  44. São Caetano
  45. São José do Barreiro
  46. São José dos Campos
  47. São Juís do Paraitinga
  48. São Paulo
  49. São Sebastião
  50. São Vicente
  51. Silveiras
  52. Taubaté
  53. Tremembé
  54. Ubatuba

Leia também: Minas Gerais confirma mais uma morte por febre amarela em Belo Horizonte

Rio de Janeiro

Nesta semana, o secretário estadual de Saúde do Rio de Janeiro
, Luiz Antônio Teixeira Júnior, havia dito que o fracionamento seria feito apenas a partir do dia 19 de fevereiro. Porém, Teixeira destacou que o fracionamento poderia ser feito antes em caso de necessidade.

Segundo nota divulgada pela SES, a antecipação ocorre “em alinhamento com o Ministério da Saúde e a Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo e com o objetivo de construir uma estratégia conjunta de enfrentamento da febre amarela”.

A secretaria destaca que, desde janeiro de 2017, já vem adotando medidas preventivas, antes mesmo de registrar casos no território fluminense, com a criação de cinturões de bloqueio, “recomendando a vacinação contra a febre amarela principalmente em municípios de divisa com Espírito Santo e Minas Gerais”, que são as áreas de risco para a doença. “Vale destacar que, desde julho do ano passado, todos os 92 municípios do estado já estão incluídos na área de recomendação da vacina”.

No próximo dia 27, a Secretaria de Saúde do Rio realiza o Dia D de vacinação contra a febre amarela nos 92 municípios do estado. Durante a ação, a vacina será disponibilizada nas unidades básicas de Saúde, unidades de Pronto-Atendimento (UPAs), instalações montadas pela secretaria estadual e também nos quartéis do Corpo de Bombeiros.

A campanha de vacinação do Ministério da Saúde será feita em 15 municípios fluminenses entre os dias 19 de fevereiro e 9 de março: Belford Roxo, Duque de Caxias, Itaboraí, Itaguaí, Japeri, Magé, Mesquita, Nilópolis, Niterói, Nova Iguaçu, Queimados, Rio de Janeiro, São Gonçalo, São João de Meriti e Seropédica.

Dose fracionada

A dose fracionada, que tem capacidade de imunização de 8 anos, passará a ser aplicada em pessoas maiores de 2 anos até 59 anos não vacinadas, mulheres não vacinadas que estejam amamentando crianças maiores de 6 meses e idosos não vacinados, após avaliação de serviço de saúde.

Mesmo com o início do fracionamento, devem tomar a dose integral crianças de 9 meses a 2 anos, pessoas com condições clínicas especiais, gestantes e viajantes internacionais que precisem do comprovante. A dose plena só precisa ser tomada uma vez na vida, conforme recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Saiba mais sobre a doença

  • O que é febre amarela? 

É uma doença infecciosa febril aguda, não contagiosa, provocada por um vírus transmitido por mosquitos vetores, e possui dois ciclos de transmissão: silvestre, quando há transmissão em área rural ou de floresta, e urbano.

  • Como a febre amarela é transmitida? 

Segundo a Sociedade Brasileira de Dengue/Arboviroses (SBD-A), a transmissão acontece por meio da picada de insetos, especialmente os mosquitos dos gêneros  Aedes – o mesmo que transmite a Dengue, a Chikungunya e Zika – nos ambientes urbanos, e pelos gêneros Haemagogus  e  Sabethes  que são encontrados no ciclo silvestre.​

  • Qual diferença entre febre amarela silvestre e urbana? 

A SBD-A esclarece que o que diferencia as duas formas da doença são o local geográfico e o gênero do mosquito transmissor. No ambiente urbano, o mosquito Aedes aegypti é o responsável pela transmissão da doença ao picar o indivíduo. Já nas regiões de mata, há diversas espécies diferentes de mosquitos responsáveis pela transmissão, sendo os principais os mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes . É importante ressaltar que todos os casos registrados desde 1942 no Brasil até o momento foram do tipo silvestre .

  • Macacos podem transmitir febre amarela? 

Não. Quem transmite a doença são os mosquitos e os macacos também são alvos dos insetos, assim como os humanos.

A SBD-A orienta que a população não mate esses animais, já que o extermínio de primatas não interfere na continuidade do ciclo de transmissão do vírus.

Além disso, a entidade ressalta que quando esses animais são encontrados mortos pela doença, pode-se considerar a ocorrência como um marco da previsibilidade da proximidade da transmissão para seres humanos.

  • Quais são os sintomas? 

Em geral, as pessoas infectadas apresentam febre baixa, dores musculares em todo o corpo, principalmente nas costas, dor de cabeças e nas articulações, náuseas, vômitos e fraqueza. Em média, o tempo de incubação da doença, período que antecede a aparição dos sintomas, oscila entre 3 e 6 dias, podendo chegar até 10 dias.

“Pode haver uma melhora no terceiro dia, mas, em seguida, pode vir a ocorrer piora a partir do quarto dia quando então predominam os fenômenos inflamatórios, sendo o fígado órgão frequentemente acometido nessa fase”, explica a SBD-A.

Segundo o infectologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo Hermes Higashino, a maioria das pessoas melhora após estes sintomas iniciais. “No entanto, cerca de 15% apresentam um breve período de horas a um dia sem sintomas e, então, desenvolvem uma forma mais grave da doença. Nesses casos, o paciente pode apresentar sintomas como: febre alta, icterícia (a pele e os olhos ficam amarelos), hemorragia (de gengivas, nariz, estômago, intestino e urina) e, eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos.

Em qualquer das formas clínicas da doença, o diagnóstico de certeza somente é estabelecido através de exames laboratoriais específicos.

Leia também: Autoridades do Rio confirmam mais um caso de febre amarela em Teresópolis

*Com informações da Agência Brasil

O artigo SP e Rio antecipam aplicação de vacinas fracionadas contra febre amarela foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/saude.ig.com.br/2018-01-18/febre-amarela-vacina-antecipada-sp-rj.html

Deixe uma resposta