Soro contra o veneno de abelhas começa a ser testado em humanos

Veja a matéria completa sobre Soro contra o veneno de abelhas começa a ser testado em
humanos e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.

Cerca de 12 mil envenenamentos foram registrados por conta de picadas de abelha em 2015, incluindo mais de 40 óbitos

Pixabay

Uma mulher de 33 anos foi a primeira paciente a receber o soro antiapílico, contra o veneno da picada de abelha. Ela foi atendida no Hospital da Faculdade de Medicina de Botucatu, em São Paulo, após receber pelo menos 400 picadas.

LEIA MAIS: Conheça a doença que cegou o maior fenômeno do paratletismo mundial

O medicamento foi desenvolvido por pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em parceria com o Instituto Vital Brazil, do Estado do Rio de Janeiro. A paciente recebeu seis ampolas do soro contra o veneno da picada de abelha, não apresentou reações adversas e recebeu alta dias após a internação. A informação foi divulgada esta semana pela Secretaria de Saúde do Rio.

A fase de testes para a liberação para o consumo humano teve início em agosto. Além da unidade de saúde de Botucatu, o Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Tubarão, Santa Catarina, também recebeu as ampolas do soro. Serão atendidas pessoas com múltiplas picadas.

O soro antiapílico precisa ser testado em pelo menos 20 pessoas antes de o medicamento ser liberado para consumo. Cada paciente recebe de duas a dez ampolas no tratamento, variando de acordo com a gravidade do quadro clínico. Para participar do teste, é preciso ter entre 18 e 60 anos, não estar grávida e ter sofrido mais de cinco picadas de abelha.

LEIA MAIS: Por que as vendas de desodorante são tão baixas na China e em outros países

De acordo com o infectologista e presidente do Instituto Vital Brazil, Edimilson Migowski, a estimativa é a de que o soro esteja liberado para a produção em escala industrial em aproximadamente dois anos.

Envenenamento

O Brasil registrou, somente no ano passado, quase 12 mil envenenamentos por abelhas, incluindo mais de 40 óbitos. O número é 14 vezes maior do que o total de casos no ano 2000, quando ocorreram 1.440 acidentes, de acordo com os dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação. O problema ocorre, principalmente, na região sul do País.

LEIA MAIS: Rodrigo Janot defende aborto para grávidas com zika vírus

A picada de abelha causa dor e inchaço local. Geralmente, pode ser tratada pela própria pessoa, mas em casos de reação alérgica pode ocorrer dificuldade de respirar, inchaço da língua, náusea e perda da consciência.

O artigo Soro contra o veneno de abelhas começa a ser testado em
humanos foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/saude.ig.com.br/2016-09-09/soro-veneno-abelha.html

Deixe uma resposta