Sete hábitos "saudáveis" que você precisa esquecer

Veja a matéria completa sobre Sete hábitos "saudáveis" que você precisa esquecer e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.

Sabe quando você acha que está fazendo a coisa certa para o seu corpo? 
Bom, talvez seja preciso repensar seus conceitos de “hábitos saudáveis”. De acordo com algumas pesquisas, algumas recomendações que costumam dizer fazer bem à saúde têm exceção e outras precisam ser revistas.

Leia também: De vilão a mocinho: tirar glúten da dieta pode ser prejudicial à saúde

Veja aqui dicas do que deve ser corrigido e como fazer para ter hábitos
saudáveis de verdade.

1 – Substituir refrigerantes comuns pela versão dietética


O ideal é evitar a bebida, já que o refrigerante, com ou sem açúcar, é prejudicial à saúde

shutterstock/Reprodução

Muitas pessoas trocam as bebidas por suas versões sem açúcar quando estão tentando perder peso ou entrando em um estilo de vida mais saudável, achando que estão fazendo bem ao corpo.

Porém, um estudo americano revelou que ingerir essas bebidas regularmente pode triplicar o risco de desenvolver um acidente vascular cerebral ou distúrbios mentais.

O relatório de cientistas da Universidade de Boston apontou que as bebidas artificialmente adoçadas tinham, por razões ainda desconhecidas, uma ligação muito mais forte a estes problemas de saúde graves do que as suas contrapartes cheias de açúcar.

Além disso, outras pesquisas já sugeriram que essa troca está longe de ajudar a perda de peso. Bebidas diet podem enganar o corpo, que está esperando açúcar, e, inclusive, fazer com que a pessoa apresente ganho de peso.

Como corrigir:
O ideal é evitar a bebida, mas se você é viciado em refrigerante, uma maneira de se livrar é tentar tomar água gaseificada com algumas gotas de suco de limão puro, ou com fatias de laranja.

2 – Tomar capsulas de vitaminas no café da manhã


Para tomar vitaminas em cápsulas no café da manhã é preciso comer algum alimento antes

shutterstock/Reprodução

Pesquisas recentes descobriram que certos alimentos e bebidas comuns no café da manhã podem impedir a absorção das vitaminas ingeridas por meio de pílulas ou outros tipos de suplementos.

Um estudo da University of East Anglia, realizado neste mês, descobriu que os alimentos quentes – como mingau, por exemplo – inibiram a absorção de ferro, presente em multivitaminas, em quase três quartos.

Da mesma forma, o polifenol, frequente em chás e café, poderia impedir a ingestão de outros minerais importantes, como zinco, magnésio e cálcio.

Como corrigir:
A nutricionista Sarah Brewer diz que a maioria dos suplementos devem ser consumidos separado dos alimentos. O recomendável é que seja logo após a refeição, quando os ácidos do estômago já estão ativados e ajudarão a digeri-los.

Na verdade, apenas algumas mordidas em algum alimento antes de tomar o seu comprimido de vitamina já pode resolver essa situação. E é importante levar em conta que o suplemento só deve ser tomado com água. “Chá, café e chocolate quente não devem ser bebidos dentro de duas horas após o consumo da vitamina”, acrescenta a nutricionista.

3 – Só porque  é à base de ervas quer dizer que é seguro


Fique atento à regulamentação do medicamento mesmo quando ele for feito à base de plantas

shutterstock/Reprodução

Esse é um erro muito comum. Pensar que todos os produtos que são à base de ervas e plantas devem ser seguros só porque são naturais é um costume que você deve esquecer.

Dick Middleton, presidente da British Herbal Medicine Association, afirma que “todos os medicamentos têm riscos e benefícios, e os medicamentos à base de ervas não são exceção”.

Além disso, nem todos os produtos à base de plantas são de boa qualidade. “Muitos produtos não licenciados foram testados e apresentaram indícios de serem de baixa qualidade ou mesmo contaminados e, portanto, perigosos”, acrescenta o doutor Middleton.

Como corrigir:
“Sempre procure produtos desse tipo que tenham alguma garantia das autoridades de ser licenciado”, aconselha o especialista.  Ler a bula também é importante para saber sobre possíveis interações medicamentosas que é preciso estar atento.

Leia também: Sete hábitos simples para um coração saudável

4 – Consumir muita fibra


Uma dieta rica em fibras pode não fazer bem para todo mundo; consulte seu médico antes de adotar essa prática

shutterstock/Reprodução

Os especialistas sempre nos dizem para “comer mais fibra” para impulsionar a nossa digestão e, na maior parte, é uma mensagem eficaz.

Mas, se você é faz parte dos 20% das pessoas que têm síndrome do intestino irritável (SII), o consumo de muita fibra pode tornar o problema ainda pior, deixando você inchado ou com dor.

O professor e gastroenterologista Julian Walters conta que muitos pacientes com SII dizem que seus intestinos têm estado muito pior desde que começaram a comer mais fibra.

“Muitas vezes eles adicionaram muito farelo, frutas ou lentilhas à sua dieta, o que pode causar gases e inchaço e piorar a diarreia”, explica o professor Walters.

Como corrigir:
Novos estudos já mostram que quem sofre de SII devem reduzir a ingestão de FODMAPs, alimentos fermentáveis e que produzem gases no estômago, que, quando mal absorvidos pelo nosso organismo, podem causar desconforto intestinal.  .

Entre estes alimentos estão certas frutas, como maçã e manga, leite de vaca e seus derivados, e cereais que tenham trigo e centeio.

5 – Passar protetor solar todos os dias


O sol também pode fazer bem ao corpo; ao usar protetor solar diariamente, tome cuidado para não bloquear a vitamina D

shutterstock/Reprodução

Nos últimos 20 anos tantos foram os alertas de que a relação entre a exposição ao sol e o câncer de pele era fatal, que profissionais médicos passaram a nos aconselhar a usar protetor solar diariamente para proteger a pele dos raios UV, prejudiciais à saúde.

Porém, foi constatado que muitas pessoas já apresentam um déficit de vitamina D, um nutriente vital, pois é responsável pela absorção de cálcio pelos ossos e fortalece o sistema imunológico. Sem a exposição da pele ao sol, 90% da chamada vitamina “sol” é deixada de ser produzida.

Recentemente, também foram encontradas evidências de que essa vitamina também colabora para um coração saudável e pode ajudar a combater o câncer e a diabetes.

Como corrigir:
A dermatologista Johanna Ward afirma que “embora seja importante proteger a pele do sol é necessário complementar os níveis de vitamina D”. E ela ainda completa com uma dica. “A melhor forma de tomar é a D3, porque é o mais fácil de absorver”.

6 – Trocar açúcar por mel


Não adianta trocar o açúcar por mel para adoçar os alimentos se não moderar na dosagem

shutterstock/Reprodução

O nutricionista Rob Hobson, adverte que comer muito mel achando que é mais saudável do que o açúcar comum é um erro na dieta. “Mesmo que seja um adoçante natural, o mel ainda contém 17g [o equivalente a quase 3,5 colheres de chá] de açúcar por colher de sopa, ou seja, é mais da metade do limite saudável recomendado, que é de seis colheres de chá por dia”, explica Hobson.

Há pessoas que consomem o mel, pois ele é considerado rico em minerais, como o ferro. No entanto, Hobson explica que não é bem assim: “você precisaria tomar 123 colheres de chá para obter uma pequena quantidade desses minerais”.

Como corrigir:
Na verdade não existe mágica ou algo que seja completamente saudável. A ideia é consumir, seja mel ou açúcar, com moderação.

7 – Uma boa noite de sono, é aquela que você dorme muito


Nem muito, nem pouco: o recomendável é dormir sete horas por noite

shutterstock/Reprodução

Que nossos corpos se revitalizam durante o sono é verdade, mas ficar 10 ou mais horas por noite na cama pode ser tão prejudicial para a saúde quanto dormir por menos de seis horas, de acordo com a American Academy of Sleep Medicine.

Pesquisadores descobriram que o risco de doenças cardíacas, acidentes vasculares cerebrais e diabetes é ainda maior entre as pessoas que dormem por muito tempo. Ainda não se sabe o que causa isso, mas outro estudo da Arizona State University sugere que ficar na cama por duas horas a mais por noite causou mais dor nas costas, mau humor e outras alterações negativas à saúde.

Como corrigir:
Pessoas que dormem sete horas por noite têm o menor risco de apresentarem doenças graves, apontou o levantamento. E se você é daqueles que luta para conseguir dormir, uma dica é tentar deitar com TVs, celulares, tablets e outros aparelhos desligados.  

Leia também: O lado negativo dos alimentos saudáveis

O artigo Sete hábitos "saudáveis" que você precisa esquecer foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/saude.ig.com.br/2017-05-17/sete-habitos-saudaveis.html

Deixe uma resposta