Nutróloga – Mulheres e suas Carreiras

A matéria Nutróloga – Mulheres e suas Carreiras você lê em detalhes aqui, ou confira mais notícias sobre Moda, Saúde e Beleza em Produtos de Beleza.

Você sabe o que o que ‘é Nutrologia? Ou o que faz um nutrólogo? Eu confesso que desconhecia até um tempo atrás essa especialidade da medicina. Cada vez mais se ouve falar de distúrbios alimentares, problemas psicológicos que causam distúrbios, como bulimia e anorexia e por aí vai.

Esses assuntos são muito interessantes e é também de extrema importância que os abordemos. Esse mundo da beleza endeusa a magreza e a mídia prega o culto do corpo perfeito. Muitas pessoas não sabem a diferença entre fazer dietas extremas e ter um distúrbio alimentar.

Batemos um papo com a Dra. Johsie Chaves, e ela nos esclareceu vários pontos sobre essa área médica que está crescendo cada veznutrologa mais.
PB – QUAL A SUA PROFISSÃO? QUAL A SUA ESPECIALIDADE? DO QUE ELA TRATA? POR QUE A ESCOLHEU?
Dra. Johsie – Sou médica, formada pela UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLANDIA (UFU).
Sou médica nutróloga. A Nutrologia é a especialidade médica clínica que visa prevenção , diagnóstico e tratamento de doenças relacionadas ao comportamento alimentar, objetivando avaliar o estado nutricional e correção de possíveis erros alimentares . Dentre as doenças mais abordadas estão a obesidade, as dislipidemias (distúrbios de colesterol), o diabetes, a hipertensão arterial, além de transtornos alimentares com a anorexia, bulimia, transtorno alimentar compulsivo periódico. Fazemos também a abordagem nutrológica voltada para o esporte, para o idoso, para as carências vitamínicas, dentre outros.
Durante a faculdade de Medicina cogitei seguir diversas especialidades, conforme os estágios que cursava. Depois de formada, comecei a atuar como clínica geral e me identificava muito com essa área de metabolismo e alimentação, por isso resolvi seguir essa especialidade.

PB – POR QUE RESOLVEU FAZER MEDICINA? HÁ QUANTO TEMPO ESTÁ NA ÁREA?
JC- Quando estava no ensino médio, era apaixonada por biologia, adorava estudar o corpo humano, além disso, sempre via essa profissão com muita admiração. A partir do terceiro colegial passei a me dedicar a fundo nos estudos para alcançar meu objetivo. Ingressei na faculdade no ano 2000 e me formei em 2006, portanto estou na área há 7 anos.

PB – COMO MÉDICA QUAL SUA MAIOR RESPONSABILIDADE COM SEUS PACIENTES?
JC – A grande responsabilidade que todo médico deve ter com seus pacientes é o da promoção da saúde e preservação da vida. Esses devem ser sempre os grandes objetivos de todo profissional da área. No meu caso especifico, como médica nutróloga, tento sempre orientar meus pacientes da forma mais esclarecedora possível, para que eles se comprometam em seguir as recomendações. Um paciente bem orientado, bem informado, que entende bem sua doença, segue melhor seu tratamento.

PB – ONDE FICA SEU CONSULTÓRIO OU HOSPITAL QUE VOCÊ ATENDE?
JC – Meu consultório fica em Uberlândia, na clínica Saúde Center onde atendo como nutróloga. Também faço atendimento como clínica geral pelo SUS, em uma das UAIs (Unidade de atendimento Integrado) da cidade.

PB – QUAL FOI A PIOR COISA QUE JÁ ACONTECEU CONTIGO, ATENDENDO UM PACIENTE?
JC – Não me lembro de um evento específico, que tenha acontecido durante a prática da minha profissão. Mas uma coisa que me deixa triste, em se tratando de SUS, são aqueles pacientes que querem descontar no profissional que o está atendendo, todas as suas insatisfações com relação a esse sistema falho, que temos. Felizmente esses pacientes são a minoria. Outra coisa desagradável é quando você se depara com a impossibilidade de ajudar o paciente que te procura, seja pelo acesso difícil a exames investigatórios mais complexos ou medicações de alto custo.

PB – QUAL FOI A MELHOR?
JC – A melhor coisa para um médico bem comprometido com sua profissão é conseguir atender a expectativa do paciente, estabelecendo um diagnóstico corretamente e conseguindo promover a ele um tratamento.
No caso da nutrologia fico muito feliz quando o paciente tem êxito no tratamento proposto e retorna agradecido atribuindo o sucesso terapêutico à minha ajuda como médica.

PB – O QUE É MAIS DIFÍCIL NA ÁREA DA MEDICINA? E O QUE É MAIS FÁCIL?
JC – Acredito que o mais difícil é lidar com a grande cobrança da sociedade sobre nós, como se fossemos infalíveis e com a grande responsabilidade que a profissão exige, por tratarmos da vida alheia. Também é difícil lidar com as falhas do sistema público de saúde. A dificuldade de acesso a exames de alta complexidade e a medicações de alto custo, dificulta o exercício pleno da medicina
O “fácil” da profissão é quando se trata de algo que dominamos. Cada médico tem sua “zona de conforto”, ou seja tem mais habilidades com determinada área da medicina, e por isso se sente mais apto quando se trata de algo que ele tem mais conhecimento.

PB – NA ATUAL SITUAÇÃO DO BRASIL, COMO VOCÊ VÊ OS ACONTECIMENTOS E COMO SE SENTE COMO MÉDICA VENDO SUA PROFISSÃO SENDO TÃO DESRESPEITADA PELO GOVERNO?
JC – Estaria mentindo, se dissesse que tenho esperanças de grandes mudanças num primeiro momento. Talvez com todos esses protestos, pequenas mudanças ocorram, mas são tantos problemas, tantos anos de irregularidades no país…Teriamos que ter políticos sensatos e bem comprometidos com mudanças favoráveis à população, mas não temos. Como médica, me sinto frustrada e decepcionada com todo esse desrespeito com uma profissão que exige de nós tanta dedicação, mas só se depara com a desvalorização.

PB – ACHO QUE ESSA PERGUNTA É MAIS UMA DÚVIDA DE MUITAS PESSOAS: O QUE É BULIMA? E ANOREXIA? QUAL A DIFERENÇA ENTRE ELAS? E QUAIS AS CAUSAS?
JC – Tanto a Bulimia Nervosa (BN) , quanto a Anorexia Nervosa(AN) são transtornos alimentares . Ambos ainda tem sua etiologia desconhecida, mas sabe-se que a origem é multifatorial, podendo estar relacionada a fatores genéticos, fatores ambientais (pressão da sociedade pelo corpo perfeito/ histórico de abuso sexual) e fatores psicossociais como personalidade ansiosa, perfeccionista ou compulsiva. Existe predomínio no sexo feminino para ambos os transtornos.
O termo bulimia significa “fome de boi”, isso porque esse transtorno se caracteriza por períodos de compulsão alimentar, em que as pessoas comem quantidades exageradas de uma só vez e posteriormente adotam medidas purgativas como vômitos, uso de laxantes ou diuréticos para compensar; outras preferem adotar medidas restritivas como jejum prolongado ou exagero na atividade física. Existe a preocupação com o peso, mas em geral esses pacientes não estão abaixo do peso.
No caso da AN a grande característica á a distorção da imagem (o paciente por mais magro que esteja, se vê muito acima do peso, quando se olha no espelho), tem um medo absurdo de engordar, se recusa a manter o peso acima de 85 % do esperado e no caso das mulheres, param de menstruar devido a alterações hormonais. Nesse distúrbio os pacientes se encontram desnutridos e com risco de complicações gravíssimas, como arritmia cardíaca por exemplo. Há também o grande risco de morte, inclusive por suicídio.

PB – VOCÊ JÁ TEVE ALGUM CASO SÉRIO DE BULIMIA OU ANOREXIA NO SEU CONSULTÓRIO? QUAL O TRATAMENTO?
JC – Já atendi alguns casos de ambos os transtornos, mas nenhum de grande gravidade. O tratamento deve ser multidisciplinar, com a participação não só do médico nutrólogo, mas também do psiquiatra, psicólogo e com a participação da família.
Na AN, como o paciente se encontra desnutrido o foco inicial é a recuperação do estado nutricional. A ingestão calórica deve ser aumentada gradativamente e faz –se um acompanhamento semanal com o paciente. O objetivo é atingir IMC (Índice de Massa Corporal) > 19. Em alguns casos a internação é necessária e em outros a associação de antidepressivos ou antipsicóticos pode ajudar.
Na BN a abordagem inicial visa acabar com as compulsões, o peso está em segundo plano, por isso as dietas não podem ser muito restritivas, para evitar momentos de compulsão devido a fome. Alguns casos podem ser tratados com antidepressivos também.

PB – EXISTE ALGUM DISTÚRBIO ALIMENTAR CAUSADO POR PROBLEMAS PSICOLÓGICOS?
JC – Sim. A Anorexia Nervosa e a Bulimia são exemplos. Temos ainda o Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP), que é muito semelhante a Bulimia, porem sem as compensações posteriores, por isso são pacientes acima do peso e mais propensos a doenças como diabetes e Hipertensão. Temos também a Ortorexia, que é uma distúrbio alimentar novo, caracterizado pela obsessão em comer saudável, mas as pessoas seguem dieta sem acompanhamento e com tal rigor que muitas vezes apresentam carências nutricionais importantes.

PB – QUAL A DICA QUE VOCÊ DÁ PARA QUEM QUER PERDER PESO?
A principal dica é a disciplina. Não existe “fórmula mágica ” para emagrecer. A pessoa que tem o objetivo de perda de peso tem que entender que a ingestão alimentar deve ser controlada diariamente, com um acompanhamento profissional adequado. A obesidade deve ser vista como doença crônica e por isso os cuidados com alimentação devem ser para sempre.

PB – EXISTE UMA DIETA QUE FUNCIONE MAIS DO QUE A OUTRA?
JC – Na minha opinião, a dieta que mais funciona é a reeducação alimentar. O paciente deve aprender a comer, respeitando limitações e quantidades adequadas. Existem várias dietas na mídia algumas com grande desequilíbrio nutricional, como a da proteína por exemplo. O paciente de fato emagrece rápido, mas não vai seguir essa dieta por muito tempo e quando voltar a comer de tudo, volta recuperar peso.

PB – O QUE VOCÊ ACHA DESSAS DIETAS QUE PROMETEM PERDA RÁPIDA E QUASE “MILAGROSA” DE PESO?
JC – Acho que as pessoas devem ver a grande maioria dessas dietas com certa desconfiança. Muitas das vezes, a perda de peso pode acontecer sim, mas as custas de possíveis desequilíbrios nutricionais e quando o paciente voltar a se alimentar normalmente irá provavelmente recuperar boa parte do peso. Volto a dizer que sou adepta à reeducação alimentar e ao acompanhamento regular com profissional adequado.

Dra. Johsie Gomide Magalhães Chaves
Médica formada na Universidade Federal de Uberlândia
Especialista em Nutrologia pela Abran (Associação Brasileira de Nutrologia)

A seguir, um mini-documentários sobre bulimia e anorexia, caso queira ver depoimentos de meninas que passaram por isso.

O artigo Nutróloga – Mulheres e suas Carreiras foi originalmente publicado em http://www.produtosdebeleza.com/nutrologa-mulheres-e-suas-carreiras.html

Deixe uma resposta