Médico ensina a incluir cerveja na dieta saudável

Veja a matéria completa sobre Médico ensina a incluir
cerveja na dieta saudável e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.


Getty Images

A cerveja que protege a saúde dos ossos pode aumentar o risco de fraturas. O que define a mesma bebida alcoólica como remédio ou veneno é a dosagem, apontam pesquisas recentes.

Siga o iG Saúde no Twitter

Apostando no lado bom do consumo, o governo espanhol está defendendo a inclusão da cerveja na pirâmide alimentar e está empenhado em divulgar os efeitos benéficos do consumo moderado da bebida – no máximo duas latinhas por dia.


Leia mais sobre a bebida no dossiê da
cerveja

Para isso, o Ministério da Agricultura, Alimentação e Meio Ambiente da Espanha promoveu, na primeira semana de novembro, o Simpósio Internacional da Cerveja e Saúde. Em Madri, a capital espanhola, foram reunidos especialistas de diversos países e de várias áreas da medicina que pesquisam os efeitos do consumo moderado de álcool, e especialmente de cerveja.

Os médicos e nutricionistas divulgaram como incluir a cerveja em uma dieta saudável (que não engorda, inclusive), capaz de atuar de forma protetora na  osteoporose
, nos  problemas cardiovasculares
e nos distúrbios da menopausa.
O ponto em comum dos trabalhos apresentados é: se o consumo extrapolar a moderação os benefícios são anulados.


Escolha acompanhamentos certos e evite a barriga de chope


Cerveja sem álcool é boa na gravidez e na menopausa

Por “doses moderadas” entenda-se duas latinhas de cerveja, no máximo, por dia ou em qualquer outra ocasião em que se opte por beber álcool. Isso significa que ficar abstêmio entre segunda e quinta-feira não dá carta branca para compensar e beber mais do que três doses no happy-hour de sexta-feira, na noitada de sábado ou no almoço de domingo.

Um levantamento feito pela Escola de Medicina de Toulouse, na França, mostrou que a bebedeira de final de semana é mais perigosa do que beber moderadamente todos os dias
, ampliando em até duas vezes a incidência de doenças cardíacas.

Sendo assim, ao menos um em cada cinco brasileiros está de fora do grupo que pode obter vantagens na saúde com a cerveja. Isso porque, de acordo com o último inquérito feito pelo Ministério da Saúde do Brasil com maiores de 18 anos, 25% exageram no consumo de álcool quando bebem (mais do que quatro doses), ficando suscetíveis a problemas de saúde como acúmulo de gordura no fígado
, infarto
e acidente vascular cerebral (AVC)
.

Além disso, quando há mistura entre álcool e condução de veículos, o risco de acidentes também é maior. Estudo feito pela Universidade de São Paulo, em parceria com o Instituto Médico Legal, já mostrou que 30% dos mortos no trânsito em São Paulo haviam bebido no dia da colisão, atropelamento ou queda da motocicleta.

Veja no mapa:
Os estados que mais exageram no consumo de álcool

“Os malefícios do excesso já são conhecidos e divulgados, mas o consumo responsável de cerveja permite acesso a inúmeros benefícios à saúde”, afirmou Isabel García Tejerina, secretaria geral de Agricultura e Alimentação do Ministério da Espanha.

Benefícios da moderação

Durante o simpósio, a ministra espanhola defendeu a inclusão da bebida na pirâmide alimentar (uma dose por dia), com base “nos 20 trabalhos científicos, realizados desde 1998, que investigaram e confirmaram os efeitos benéficos do consumo moderado, todos feitos por universidades importantes”.

Segundo o diretor do Laboratório de Pesquisas Cardiovasculares do Hospital Mount Sinai de Nova York, Juan José Badimon, as composições da cerveja, resultantes da fermentação, agregam ao líquido o potencial terapêutico.

“A bebida é rica em antioxidantes, fósforo, silício, ácido fólico e vitaminas”, disse.

Mas por causa do álcool, o exagero anula as propriedades nutricionais positivas. Os efeitos opostos de acordo com a dosagem foram evidenciados pelo ortopedista e presidente da Fundação Hispânica de Osteoporose, Manuel Diaz Curiel.

“Um dos fatores de risco consolidados para a osteoporose e para as fraturas é o consumo abusivo de álcool. Mas já sabemos também que os polifenois presentes na cerveja são ótimos para reforçar a massa óssea. O silício contido na bebida também amplia a mobilidade do osso. As vantagens no esqueleto poderiam ser obtidas com a moderação do consumo.”

Lluís Serra, nutrólogo e presidente da Fundação Internacional da Dieta Mediterrânea, ensina como ampliar os efeitos bons da cerveja.

“A dieta mediterrânea
 é a única que cientificamente emagrece e protege a saúde. A cerveja, por sua origem milenar e perfil nutricional, faz parte desta cultura. Por isso, o ideal é consumi-la com outros alimentos mediterrâneos (peixes, castanhas e vegetais) e fazer atividades físicas ao menos 30 minutos diários”, completou.

Leia mais notícia de alimentação e bem-estar

O artigo Médico ensina a incluir
cerveja na dieta saudável foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/alimentacao-bemestar/2012-11-10/medico-ensina-a-incluir-cerveja-na-dieta-saudavel.html

Deixe uma resposta