Mais de 17 milhões de bebês estão expostos à poluição seis vezes acima do normal

Veja a matéria completa sobre Mais de 17 milhões de bebês estão expostos à poluição seis vezes acima do normal e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.


Poluição pode ser especialmente mais prejudicial às crianças, atingindo a corrente sanguínea e provocando danos irreparáveis

Pixabay

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) informou que pelo menos 17 milhões de bebês estão vivendo em áreas onde os índices de poluição é seis vezes mais alto do que os limites considerados saudáveis. A exposição pode causar prejuízos severos à saúde das crianças, danificando seus pulmões e colocando em risco o desenvolvimento cerebral sadio.

Leia também: Poluição do ar em Nova Déli é tão prejudicial quanto fumar 50 cigarros por dia

“As substâncias contaminantes não só danificam os pulmões em desenvolvimento dos bebês, também podem causar lesões permanentes em seus cérebros e, portanto, prejudicar seu futuro”, afirmou o diretor-executivo da Unicef, Anthony Lake sobre as ameças da poluição
do ar.

Segundo as informações da organização sobre o relatório “Perigo no Ar”, publicado nesta quarta-feira (6), em Daca, capital de Bangladesh, mas de três quartos dos menores de um ano de idade que respiram os níveis de poluição seis vezes maior do que é estabelecido vivem no sul da Ásia, o que representa em números mais de 12,2 milhões de crianças.

A Unicef
ressaltou que muitos desses bebês já vivem em condições desfavoráveis socialmente e, especialmente as que residem em comunidades mais pobres, estão expostas a riscos ambientais pela falta de água potável e condições sanitárias que lhes fazem ser vulneráveis a doenças infecciosas.

O relatório apontou também que no extremo Oriente e na região do Pacífico vivem cerca de 4,3 milhões de bebês nestas condições.

Leia também: Poluição eleva risco de infarto, apendicite e até infertilidade

Danos à saúde

De acordo com o documento, as partículas ultrafinas de poluição são capazes de adentrar a corrente sanguínea da criança e obstruir a barreira entre o sangue e o cérebro, o que pode levar a uma neuroinflamação, o que pode significar maior dano aos bebês
, que estão mais vulneráveis e em processo de formação cerebral.

As partículas podem afetar algumas zonas específicas para a comunicação entre os neurônios e transmitir uma carga magnética que é responsável pelo desenvolvimento de doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer.

Para tentar reverter a situação, a Unicef pediu mais investimentos em energias renováveis e melhoria no acesso ao transporte público. Além disso, como uma medida paliativa e imediata, a organização pede que pais transportem as crianças em horários do dia com menos poluição.

Leia também: Poluição mata mais de 1,7 milhão de crianças por ano no mundo, segundo a OMS

O artigo Mais de 17 milhões de bebês estão expostos à poluição seis vezes acima do normal foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/saude.ig.com.br/2017-12-06/poluicao-unicef-criancas.html

Deixe uma resposta