Ludmila Kobayashi conta tudo à TV iG sobre cirurgia plástica na vagina

Veja a matéria completa sobre Ludmila Kobayashi conta tudo à TV iG sobre cirurgia plástica na vagina e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.


Ludmila Kobayashi revela que procedimentos usados na face, como peeligs, por exemplo, podem ser feitos na vagina

TV iG

Se você pudesse mudar algo no seu corpo, o que seria? Pode parecer inusitado, mas muitas mulheres responderiam que gostariam de modificar a vagina. Isso mesmo. O tema – que até pouco tempo atrás era um tabu para a sociedade–, está ganhando cada vez mais espaço não só nas rodas de conversa femininas como também nos consultórios dos cirurgiões plásticos.

Leia também: Rodrigo Maia sanciona lei que libera venda de remédios para emagrecer

“Muitas mulheres se queixam do aspecto da vagina
. Seja com o envelhecimento ou após os partos, quando pode haver uma flacidez nos tecidos, ou também no caso de pessoas que nascem com os pequenos lábios muito maiores do que os grandes lábios, por exemplo, já que acabam ficando aparentes”, explica a cirurgiã plástica Ludmila Kobayashi, durante sua entrevista à TV iG
.

A especialista revelou à apresentadora Maria João Abujamra como é feito esse procedimento tão procurado e contou o que há de inovação nessa técnica, que está caindo no gosto das brasileiras a cada dia.

Para tirar todas as suas dúvidas sobre a cirurgia íntima, assista à matéria completa:

Como saber se preciso de cirurgia?

É importante ressaltar que não existe um formato certo ou errado para o órgão. Ludmila explica que há uma variabilidade muito grande na anatomia feminina, e “cada uma pode ter a sua vagina e estar satisfeita com ela”. “Mas quando o aspecto começa a incomodar as pacientes, aí eu acho que, sim, tem que procurar algum tratamento”, analisa a doutora.

Leia também: Alerta: supergonorreia impossível de ser tratada está se espalhando, declara OMS

Clitóris

Um dos receios das mulheres é sobre a alteração no clitóris, órgão que fica na região vaginal e tem como função o prazer sexual, com mais de oito mil terminações nervosas. No entanto, a especialista garante que a intervenção não interfere na sensibilidade feminina.

“No clitóris, a gente não costuma mexer, justamente para não interferir na parte da sensibilidade, do orgasmo, que é realmente uma região muito sensível. A gente também não diminui ele, não existe cirurgia plástica para isso”, esclarece ela.

Novidades

E como todo procedimento tecnológico, a medicina está sempre se atualizando para trazer novidades para as técnicas cirúrgicas. Nesse caso não é diferente. “Todos os procedimento que podem ser usados para rejuvenescimento na face também podem ser utilizados para a vagina”, explica Ludmila.

Isso significa que peelings para clareamento podem ser usados, além de preenchimentos, com ácido hialurônico, que ajudam na aparência dos grandes lábios ou pequenos lábios a ficarem mais “rígidos” (já que fatores como a menopausa e a queda hormonal podem deixá-los parecendo mais flácidos e “murchos”).

“Esse procedimento pode ser usado na parte externa, mas, o melhor é que, com o desenvolvimento das novas tecnologias, foi criado ponteiras que podem ser usadas dentro do canal vaginal”, revela a cirurgiã sobre os equipamentos mais modernos utilizados nessa região.

Para ficar por dentro de outras novidades sobre cirurgia plástica acompanhe a coluna da Dra. Ludmila Kobayashi
semanalmente.

Leia também: Mulher tem cisto de quase 5 quilos retirado do ovário

O artigo Ludmila Kobayashi conta tudo à TV iG sobre cirurgia plástica na vagina foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/saude.ig.com.br/colunas/ludmila-kobayashi/2017-07-11/vagina-cirurgia-plastica.html

Deixe uma resposta