Laser acaba com dor e ajuda cicatrizar aftas causadas pela quimioterapia

Veja a matéria completa sobre Laser acaba com dor e ajuda cicatrizar aftas causadas pela quimioterapia e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.

Quando alguém tem câncer e tem de fazer quimioterapia, o foco desses remédios é impedir a duplicação de células do corpo (para não aumentar o tumor), e como as células da boca se duplicam rapidamente, o medicamento impede esse processo, o que faz com que as feridas apareçam. E apareçam em toda a boca. Na região interna das bochechas, perto dos lábios, na língua, no céu da boca. A dor, relatam pacientes, é intensa. Além disso, há um risco aumentado de infecções, já que a boca está completamente ferida.

Dor que, antes do laser, era aliviada à base de analgésicos fortíssimos e chegava a causar até de mortes por desnutrição. Muitas vezes, também era responsável pela extinção do prazer de comer, de saborear um alimento, forçando o paciente a ser nutrido por meio de uma sonda nasogástrica. Com o laser, essas possibilidades ruins podem ser deixadas de lado.

>> MAIS: Feijão, morango e outros 12 alimentos na prevenção ao câncer de mama

FEIJÃO é rico em fitoestrogênio: o consumo limita o efeito prejudicial dos hormônios da menopausa. Foto: Getty ImagesO tofu também é rico em  fitoestrogênio que atenua a mudança hormonal, um dos gatilhos do câncer de mama. Foto: Getty ImagesCastanha-do-pará: ajuda a proteger contra o câncer, por ser rica em lignina. Foto: Getty ImagesAs amoras possuem licopeno, pigmentos protetores por reforçarem a imunidade do organismo. Foto: Getty ImagesERVILHAS: têm fitoestrogênio ideias para equilibrar a ação negativa do estrogênio. Foto: Getty ImagesUse azeite de oliva no preparo dos alimentos porque eles reduzem as substâncias gordurosas causadoras de câncer. Foto: Getty ImagesOs pães e massas integrais favorecem a mulher pois são riscos em componentes antioxidantes. Foto: Thinkstock/Getty ImagesBeterraba é rica em flavanoides e um fotoquímico indicado na prevenção ao câncer de mama. Foto: Getty ImagesChá verde tem ação antioxidante. Foto: Getty ImagesMorangos: também são ricos em licopenos e flavanoides, que atuam no equilíbrio hormonal. Foto: Getty ImagesTomate: contém  licopeno, substância que protege ação dos radicais livres. Foto: Getty ImagesJá as nozes são ricas em ligninas, que protegem o corpo das gorduras nocivas. Foto: Getty ImagesMaçã é rica em flavanoides, que reforça a proteção do organismo em especial após a menopausa. Foto: Getty ImagesA melancia contém licopeno que previne a oxidação das células. Foto: Getty Images

“São lesões muito dolorosas. Talvez o efeito mais indesejável do tratamento oncológico. Às vezes, o paciente tinha de tomar morfina devido a dor, e isso acaba aumentando os dias de internação”, explica o estomatologista do Hospital A.C. Camargo, Fábio de Abreu.

Menos dor

A professora titular da disciplina de dentística da Faculdade de Odontologia da USP, Márcia Martins Marques, explica que o laser acaba com a dor e acelera o processo de cicatrização. Ele, inclusive, consegue prevenir o aparecimento dessas lesões dolorosas na boca dos que estão em tratamento contra o câncer.

“Depois de uma aplicação, o paciente fica esperando o profissional voltar no dia seguinte, para que ele consiga comer de novo”, conta Márcia.

Leia ainda:
10 sinais de câncer frequentemente ignorados
20 mitos e verdades sobre o câncer

Laser é usado para tratar a mucosite oral, espécie de afta causada pela quimioterapia

Hospital A.C. Camargo Cancer Center

Abreu conta que o laser é bioestimulante. “Ele dá energia para a célula, que fica mais resistente à ação da quimioterapia e se renova mais rapidamente”, diz. “A diminuição da dor é imediata, mas o melhor é aplicar em dias consecutivos à quimioterapia”.

De acordo com Márcia, depois da comprovação que o laser podia reduzir a dor e estimular a cicatrização, pesquisadores começaram a testar se ele poderia prevenir essas lesões. E soube-se que o laser é eficaz em impedir que sequer essas feridas apareçam.

“Equipes em alguns hospitais aplicam o laser em pacientes que vão começar a se tratar, como antes de um transplante de medula ou antes da quimioterapia. Muitas vezes as lesões nem aparecem, e se aparecem, são em um grau muito menos grave do que se não tivesse sido feito o laser”, conta a professora-titular da USP.

Esse tipo de procedimento, em que a sessão dura cerca de 10 minutos, pode ser feito também em crianças ou grávidas que estejam passando por esse problema.

Márcia explica que o maior desafio da terapia com o laser atualmente é unificar os mais diversos protocolos existentes. “Tivemos muitos problemas nos últimos anos porque existem muitos parâmetros para aplicar o laser, e, como isso muda muito, não ficamos com uma grande quantidade de evidências. O que está se buscando é tentar definir parâmetros para a terapia”, conta ela, ressaltando que a Faculdade de Odontologia da USP tem uma disciplina optativa para aprender a trabalhar com o laser.

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS DE SAÚDE

O artigo Laser acaba com dor e ajuda cicatrizar aftas causadas pela quimioterapia foi originalmente publicado em http://ig.saude.feedsportal.com/c/33518/f/637141/s/48079b27/sc/14/l/0Lsaude0Big0N0Bbr0Cminhasaude0C20A150E0A70E110Claser0Eacaba0Ecom0Edor0Ee0Eajuda0Ecicatrizar0Eaftas0Ecausadas0Epela0Equimioterapia0Bhtml/story01.htm

Deixe uma resposta