Jovem com doença rara é operada após viver 19 anos com órgãos para fora do corpo

Veja a matéria completa sobre Jovem com doença rara é operada após viver 19 anos com órgãos para fora do corpo e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.


Médicos da um hospital na Índia conseguiram colocar os órgãos para dentro do corpo (imagem meramente ilustrativa)

shutterstock

A adolescente Sauda Suleiman Amour, de 19 anos, nasceu com uma condição abdominal que fazia com que órgãos seus ficassem para fora de seu corpo. Ela passou por duas operações para tentar resolver a situação, mas ambas falharam e, quase duas décadas depois, ela finalmente foi salva por médicos de um hospital na Índia.

Leia também: OMS publica documento que classifica vício em videogames como doença mental

Segundo informações do portal Daily Mail
, a jovem da Tanzânia possuía uma doença que costuma ser operada apenas horas após o nascimento da criança, porém, seu caso foi diferente. Ela passou por duas cirurgias quando tinha cinco anos, e como as duas apresentaram complicações, não teve alternativa a não ser conviver com os órgãos 
– parte do fígado e do intestino – para fora de seu abdômen.

Por mais que o problema em si não fosse um risco para sua saúde, ela precisou tomar muito cuidado com todas as atividades ao longo dos anos. Isso porque a condição deixava seus órgãos muito vulneráveis a impactos físicos e também a infecções na área.

Além disso, a condição era visível e fez com que Amour recebesse muitos comentários maldosos e sofresse com bullying
nos anos escolares. Seus colegas de classe diziam que ela parecia estar grávida e, por causa da falta de sensibilidade das crianças, ela temia que seu fígado e parte do abdômen fossem chutados.

Ajuda para solucionar a condição dos órgãos para fora do corpo

Muitos anos depois, ela decidiu buscar ajuda médica fora do seu país e viajou para Chennai, na Índia, onde passou a ser atendida no Hospital do Instituto de Ciências Médicas do local. “A garota não podia ir ao colégio ou brincar com outras crianças porque a estrutura, com o tamanho de uma bola de futebol, estava para fora do seu abdômen
”, explicou Radhakrishna Patta, diretor e consultor sênior do hospital.

“Ela tinha que proteger os órgãos o tempo todo, já que qualquer pequena lesão poderia ser fatal”, continuou. E ainda descreveu que ele e sua equipe ficaram chocados ao ver que todo o fígado da jovem estava exteriorizado, coberto apenas por uma fina camada de pele danificada.

Leia também: Barata é retirada ainda viva do ouvido de chinês durante cirurgia; assista

Patta explicou o procedimento em detalhes e disse que o trabalho dos cirurgiões era colocar o fígado e o intestino para dentro do corpo sem que nada fosse prejudicado. O que não foi nada simples, já que o espaço designado para as estruturas não estava definido dentro da cavidade abdominal.

“Para que o procedimento
acontecesse com sucesso, precisávamos criar esse espaço adequado e, para isso, induzimos um pneumoperitônio pré-operatório, que injetava gás no local indicado em um período de duas semanas”, detalhou o médico.

Quando seu corpo estava pronto para a cirurgia, ela foi realizada de maneira cuidadosa e terminou bem-sucedida. Amour passou por uma recuperação complicada, cheia de detalhes rígidos a serem cumpridos, como a dieta de líquidos a qual foi submetida durante um longo tempo. Agora, ela já retornou para a Tanzânia e passa bem.


Os órgãos para fora do corpo eram o fígado inteiro da jovem e também parte de seu intestino

Reprodução/Daily Mail

O que é a onfalocele gigante

A condição da jovem é chamada de onfalocele gigante, e considerada rara, afetando apenas um em cada 5,4 mil bebês nascidos nos Estados Unidos todos os anos. A doença consiste em uma falha de desenvolvimento durante a gestão, na qual os intestinos, fígado e outras partes do corpo podem crescer de maneira anormal, em um tecido independente e transparente, para fora do abdômen.

Leia também: Nova ‘moda’ entre jovens, uso do Xanax como droga recreativa causa mortes

Isso pode acontecer de maneira natural nas primeiras semanas da gravidez, entretanto, os órgãos
devem voltar para dentro do corpo até a décima primeira semana de gestação. Quando isso não acontece, temos uma onfacole gigante.

O artigo Jovem com doença rara é operada após viver 19 anos com órgãos para fora do corpo foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/saude.ig.com.br/minhasaude/historiasdemedico/2018-06-19/orgaos-fora-do-corpo.html

Deixe uma resposta