Intoxicação alimentar, picadas de insetos, herpes: fuja dos problemas do verão

Veja a matéria completa sobre Intoxicação alimentar, picadas de
insetos, herpes: fuja dos problemas do verão e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.

Altas temperaturas também aumentam o risco de contaminação dos alimentos , podendo causar intoxicação alimentar

Shuttersock

O aumento nas temperaturas durante o verão não atrai apenas turistas para o litoral brasileiro. O calor também acaba aumentando o risco para diversos tipos de problemas de saúde, tais como a intoxicação alimentar, micoses, herpes e reações alérgicas a insetos, que estão mais presentes nesta época do ano.

Apesar da intoxicação alimentar ser frequentemente lembrada quando chega o verão, os mosquitos, cupins, as baratas, formigas, vespas e abelhas podem ser responsáveis por incômodos muito maiores nas pessoas que são alérgicas.

Segundo o coordenador técnico do projeto Brasil Sem Alergia, o médico Marcello Bossois, a ferida aberta pela picada dos insetos pode servir de porta de entrada para bactérias. “A pele é uma camada protetora entre o meio externo e o nosso organismo. Quando essa barreira é rompida, aquelas bactérias que de certa forma não seriam patogênicas – formadores de doença – acabam se tornando”, afirmou o especialistas.

Em alguns casos, as bactérias podem penetrar na corrente sanguínea e se depositar nos rins, causando a inflamação deste órgão. Muito comum em crianças, os primeiros sinais são o rosto mais inchado, aumento da pressão arterial e alteração na cor da urina. “É uma doença grave em que o paciente tem procurar logo uma ajuda médica porque os rins podem parar.”

Já as baratas e cupins podem liberar fragmentos que se misturam com a poeira, piorando manifestações respiratórias como rinite, asma e bronquite em quem tem alergia aos insetos.

Abelhas e vespas

Alergia por picada de abelha é menos comum, mas quando ocorre uma picada é extremamente perigoso para o paciente

shutterstock

As reações alérgicas geradas por picadas de abelhas e vespas são menos comuns, mas quando ocorrem são extremamente graves, podendo levar à morte. “Pode ocorrer um choque anafilático, em que o paciente desenvolve uma urticária gigante, a glote pode fechar e os olhos e lábios aumentam. Pode ainda ocorrer insuficiência respiratória e cardiovascular”, explicou Bossois.

O atendimento médico, neste caso, deve ser imediato. Já existem canetas de adrenalina que podem ajudar o paciente quando ocorre uma picada, mas, apesar de já ser usada na Europa e países como Estados Unidos, Canadá e Austrália, o medicamento ainda não tem registro na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

+ Conheça os tipos de repelentes disponíveis no Brasil e a eficácia de cada um

O tratamento no caso das alergias a insetos pode ser feito com uso de anti-histamínicos e pomadas, mas o paciente também pode iniciar uma terapia com vacina, que visa diminuir a sensibilidade alérgica.

Para ficar longe dos insetos – inclusive do mosquito Aedes aegypti, o transmissor da dengue, zika e chikungunya –, o melhor é investir em telas, dedetização e no uso de repelentes. Bossois explica que os naturais, como a vela de citronela e o óleo de andiroba, são os melhores, já que os sintéticos costumam ter fragrâncias que pioram as alergias respiratórias.

Intoxicação alimentar

Temperatura em que os alimentos são conservados é essencial para evitar a proliferação de micro-organismos nocivos à saúde; o espetinho de camarão e o queijo coalho podem ser uma cilada. Foto: shutterstock Já os peixes e crustáceos são alimentos muito sensíveis e que estragam mais rápido do que a carne e o frango. Foto: shutterstock Maneira como os alimentos são manipulados também pode provocar contaminação; dinheiro e alimento juntos não combinam. Foto: shutterstock Se a pessoa não sabe como é feita a higienização no restaurante em que vai comer, deve optar por alimentos mais simples e evitar saladas ou comidas cruas. Foto: shutterstock “Não coma ovo cru ou malcozido. Ele pode estar contaminado pela bactéria salmonela e provocar diarreia aguda”, afirma Clarissa Pedrosa. Foto: shutterstock Nutricionista também aconselha evitar a compra de alimentos a granel, que ficam expostos, principalmente no caso de salsichas, presunto e patês. Foto: shutterstock

As altas temperaturas também aumentam o risco de contaminação dos alimentos por bactérias. Apesar do problema já ser conhecido, quando as pessoas viajam parece que os cuidados a mais com a comida acabam ficando de lado – principalmente se não for possível preparar a própria refeição.

De acordo com a nutricionista Clarissa Pedrosa, do Grupo Hermes Pardini de medicina preventiva, a intoxicação alimentar pode se manifestar até 36 horas após a ingestão do alimento contaminado. Os sintomas são dores abdominais, diarreias, vômitos e, em alguns casos até febre.

Quando isto ocorre, é necessário procurar atendimento médico para que não haja desidratação. Principalmente no caso de crianças, idosos, gestantes e pessoas com o sistema imunológico enfraquecido. Após o tratamento inicial, é preciso manter uma dieta mais leve, com frutas, verduras, legumes e comidas de fácil digestão para o trato digestivo conseguir se recuperar por inteiro.

+ 6 alimentos que um especialista em segurança alimentar diz que nunca comeria

“Aqueles alimentos já preparados, como as empadinhas que às vezes são vendidas por ambulantes, se ficam em temperatura ambiente por mais de duas a quatro horas já apresentam um risco”, afirma a especialista. Clarissa também alerta para as carnes cruas, ovos mal cozidos, peixes, crustáceos e produtos com necessidade de refrigeração e vendidos fora da embalagem.

Outro ponto importante é se atentar para os restaurantes escolhidos para a refeição. “Quando a gente não sabe direito como é feita a higienização nesses lugares, às vezes, até as saladas cruas podem apresentar certo risco porque as saladas e frutas precisam ser higienizadas. O ideal é comer alimentos cozidos e mais simples.”

Doenças de pele

Dobrinhas do corpo de bebês favorecem contato da pele com o suor, mais produzido no calor, favorecendo alergias de pele

shutterstock

A combinação sol, mar, piscina e areia, além do excesso de suor, aumenta o risco de micoses, segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). O problema pode aparecer na pele, couro cabeludo, virilha e unhas. Para evitar, o melhor é secar-se bem após o banho, não andar descalço em pisos constantemente úmidos e dar preferência a calçados mais bem ventilados.

O calor também pode fazer surgir brotoejas por conta do contato da pele com o suor. Elas podem se manifestar como bolhas transparentes ou avermelhadas e podem causar muita coceira.

+ Verão sem dor: cuide do ouvido na piscina e no mar e evite problemas

Outro problema é que a mistura de oleosidade da pele com o uso de filtro solar pode favorecer o surgimento da chamada acne no solar. O recomendado, neste caso, é lavar o rosto com sabonete adequado para o tipo de pele, usar tônicos mais adstringentes e filtros solares com base aquosa ou em gel.

E se intoxicação alimentar, maior risco para reações alérgicas e problemas de pele não fossem suficiente para esta época do ano, quem sofre com herpes também deve ficar atento. A SBD explica que os raios ultravioleta mais intensos acabam ativando o vírus.

O artigo Intoxicação alimentar, picadas de
insetos, herpes: fuja dos problemas do verão foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/saude.ig.com.br/2017-01-05/problemas-do-verao.html

Deixe uma resposta