Imunoterapia 2.0: novos medicamentos ativam defesas do organismo contra o câncer

Veja a matéria completa sobre Imunoterapia 2.0: novos medicamentos ativam defesas do organismo contra o câncer e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.

A imunoterapia, modalidade de tratamento que busca estimular nosso próprio sistema imunológico para enfrentar as doenças, agora se uniu à quimioterapia e à terapia-alvo para compor um arsenal sem precedentes no tratamento do câncer.

Leia também: saiba todos os detalhes da 2ª  edição da Icesp Run – corrida pela saúde que acontece no dia 21/05 em São Paulo

Os cientistas sempre se surpreenderam com a aparente passividade de nosso organismo diante do crescimento de câncer
. Por que nosso sistema imunológico, tão eficiente para reconhecer e atacar bactérias e fungos, muitas vezes se mostra tolerante com os tumores?

Na busca da resposta a essa questão, cientistas deram um grande salto no tratamento de diferentes tipos câncer, trazendo a imunoterapia para a primeira página dos jornais.


Entendendo a comunicação entre as células de defesa (linfócitos) e as células do tumor, os cientistas desenvolveram uma nova classe de medicamentos: os inibidores de PDL1, com atividade em diferentes tipos de câncer

Shutterstock/Divulgação

Imunoterapia 2.0

O uso da imunoterapia vem se consolidando cada vez mais como recurso para o tratamento oncológico. Essas conquistas foram celebradas como os principais avanços da terapia do câncer pela American Society of Clinical Oncology (ASCO), em seu último relatório anual, utilizando o termo Imunoterapia 2.0.

Ativação do sistema imune por microrganismos

O primeiro capítulo da imunoterapia no tratamento do tumores foi escrito no final do século XIX pelo Dr. William B Coley. Após observar a regressão de uma grande massa tumoral durante um quadro infeccioso, Dr. Coley conseguiu controlar o crescimento de tumores com a aplicação subcutânea de um extrato dessas bactérias. O quadro infeccioso gerava uma resposta que, em alguns pacientes, se mantinha por várias semanas, sem qualquer outro tratamento.

A estimulação do sistema imunológico pela inoculação de bactérias é ainda hoje utilizada no tratamento do câncer. O Bacilo de Calmett-Gerin (BCG), material usado na vacinação de crianças, é um recurso terapêutico importante no tratamento do câncer de bexiga.

Entendimento da resposta imunológica

Na década de 80, a imuno-oncologia deu seu primeiro grande salto, com o uso de citoquinas no tratamento de uma série de doenças oncológicas.

As citoquinas são substâncias envolvidas na comunicação entre as células de defesa do organismo. Interferon e Interleucina, principais representantes dessa classe de drogas, foram rapidamente incorporados aos tratamentos de uma série de doenças. Apesar das respostas aquém do desejado e do alto grau de toxicidade, alguns desses tratamentos ainda são utilizados.

Leia também: Vida sexual e reprodutiva no contexto de um tratamento contra o câncer

Amplificação da resposta imunológica

O passo seguinte nessa jornada se deu pelo descoberta de anticorpos capazes de amplificar a resposta imunológica, por meio da inativação de linfócitos que inibiam essa resposta.

O medicamento ipilimumabe é o principal exemplo dessa classe. Ligando-se aos receptores do Linfócito T CTLA4,  o agente é capaz de bloquear a ação inibidora da resposta imunológica, deixando o organismo mais capaz de reagir ao tumor.

Restauração da resposta imunológica

A mais nova classe de medicamentos em uso na oncologia, os chamados “inibidores de checkpoint”, atua impedindo que a célula tumoral seja “aceita” ou “tolerada” pelas células de defesa do corpo.

São anticorpos específicos contra os receptores (PD-L1) utilizados pela célula do tumor nos contatos com os linfócitos.

Mecanismos de ação dos anticorpos anti-PDL1


Ligando-se ao Linfócito T por receptor específico (PDL1), a célula do tumor consegue a resposta imune

Divulgação






Bloqueio do receptor anti-PDL1 por anticorpo específico impede essa ligação e restaura a capacidade de destruir o tumor

Divulgação

Indicações da terapia anti-PDL1

Até o momento, os melhores resultados dos inibidores de checkpoint foram observados no melanoma e no câncer de pulmão, em situações de doença avançada.

Inúmeros estudos clínicos tem buscado explorar outras possíveis indicações desses medicamentos.

Leia também: Câncer e hereditariedade: 10% dos casos estão relacionados a herança genética

Dr. Claudio Ferrari 

Oncologista Clínico

Assessor de Diretoria do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo

Secretário de Comunicação da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC)

A corrida

A corrida e caminhada ICESP RUN 2017 será realizada no dia 21 de Maio de 2017. A largada da prova acontece às 7h na Praça Charles Miller, localizada na frente do Estádio Paulo Machado de Carvalho- Pacaembu-na cidade de São Paulo com qualquer condição climática.

Poderão participar da prova atletas de ambos os sexos, regularmente inscritos. A corrida é uma iniciativa do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp). Clique aqui e saiba tudo.

O artigo Imunoterapia 2.0: novos medicamentos ativam defesas do organismo contra o câncer foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/saude.ig.com.br/2017-05-17/cancer-imunoterapia.html

Deixe uma resposta