Estudo confirma que Gaëtan Dugas não foi o “paciente zero” da Aids nos EUA

Veja a matéria completa sobre Estudo
confirma que Gaëtan Dugas não foi o “paciente zero” da Aids nos EUA e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.

Vírus da Aids nos EUA surgiu a partir de uma epidemia pré-existente no Caribe e passou por NY antes de se espalhar

Pixabay

Cientistas conseguiram reconstruir a rota pela qual o vírus HIV chegou aos Estados Unidos, excluindo de uma vez por todas a ideia de que Gaëtan Dugas, um atendente de voo canadense, foi a primeira pessoa com Aids no País.

LEIA MAIS: Uma em cada dez crianças com HIV é imune à Aids, indica estudo

De acordo com os pesquisadores, o vírus da Aids nos Estados Unidos surgiu a partir de uma pré-existente epidemia no Caribe, chegou em Nova York perto do anos 70 e, então, se espalhou por todo o território na década seguinte.

Dugas foi nomeado o “paciente zero” após um estudo com homossexuais com a doença de 1984, mesmo ano em que ele morreu. A ideia de que ele foi o causador do problema nos EUA fez com que fosse difamado por toda a imprensa. “Ele foi um dos pacientes mais demonizados na história”, diz Richard McKay, historiador e coautor do estudo da Universidade de Cambridge.

LEIA MAIS: Ministério da Saúde anuncia novo remédio contra a Aids para o SUS em 2017

A nova análise foi publicada nesta quarta-feira (26) no jornal Nature e comparou as amostras de sangue do atendente com oito códigos genéticos do HIV da década de 70.

Culpados

Os pesquisadores acreditam que possa ser ingênuo esperar por um “paciente zero”. “Culpar ‘outros’ – sejam os estrangeiros, os pobres ou os malvados – muitas vezes serviu ´para estabelecer uma noção de distância segura entre a maioria e os grupos ou indivíduos identificados como ameaças”, afirma McKay.

O especialista diz ainda que é importante lembrar que em 1970, assim como nos dias de hoje, a epidemia foi iniciada por pessoas que estavam apenas vivendo suas vidas, sem saber que haviam contraído e, muitas vezes, estavam transmitindo uma infecção mortal.

LEIA MAIS: Bebê prematura é embrulhada em saco de sanduíche para não perder calor

“Esperamos que esta pesquisa faça com que os pesquisadores, jornalistas e as pessoas parem antes de usar o termo “paciente zero”. Ele carrega muitos significados e uma história carregada”, completa o especialista. Além deste caso com a Aids, outros pacientes também foram taxados como os primeiros casos de doenças nas epidemias de ebola e gripe suína.

O artigo Estudo
confirma que Gaëtan Dugas não foi o “paciente zero” da Aids nos EUA foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/saude.ig.com.br/2016-10-26/paciente-zero-aids.html

Deixe uma resposta