Entenda porque é importante ter a vacina contra meningite em dia

Veja a matéria completa sobre Entenda porque é importante ter a vacina contra meningite em dia e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.


Reprodução em 3D de meningococos, bactérias responsáveis por causar meningite

shutterstock

A cada oito minutos uma pessoa pode morrer de alguma doença meningocócica no mundo, estima um estudo publicado na revista científica The Lancet
. Considerada uma das condições imunopreveníveis mais temidas por causar possíveis sequelas como surdez, cegueira, problemas neurológicos e membros amputados, ela atinge anualmente de 1500 a 3 mil brasileiros.

Leia também: Ministério da Saúde lança campanha de vacinação contra HPV e meningite C

Causada pela bactéria Neisseria meningitidis
, geralmente a doença meningocócica se manifesta como meningite
, a forma clínica mais comum da condição, quando a infecção atinge as meninges, ou seja, as membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal. Há também casos mais graves, que geram uma infecção do sangue, chamada meningococcemia. Ambas podem coexistir.

No dia Mundial de Combate à Meningite, comemorado nesta terça-feira (24), entidades se reúnem para conscientizar os problemas causados pela condição. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença meningocócica, quando não tratada corretamente, tem taxa de mortalidade de 70 a 90% dos casos. Além disso, até quando o tratamento adequado é realizado as chances de óbito são de 5% a 10%.

No ano passado, o Ministério da Saúde foi notificado de que 1.052 casos de doença meningocócica aconteceram no país. As regiões Sudeste (563 casos) e Sul (215 casos) apresentaram os maiores números de notificações.

“Os meningococos, bactérias
que causam a doença meningocócica, podem ser transmitidos para outras pessoas por meio do contato direto com gotículas respiratórias através de tosse, espirro, beijo, beber no mesmo copo ou comer com talheres de outra pessoa”, afirma Celso Freitas, gerente Médico de Vacinas da GSK Brasil.

Felizmente, a bactéria que provoca a doença meningocócica não é tão contagiosa como o vírus da gripe, por exemplo. Por isso, a transmissão exige um contato mais aprofundado.

O especialista afirma que a doença pode ocorrer em pessoas de qualquer faixa etária, porém é mais comum em crianças até cinco anos e mais rara em idosos. “Por isso, é muito importante proteger as crianças nos primeiros anos de vida.”, explica Freitas.

Há também a forma viral de meningite. No entanto, a infectologista do Hospital e Maternidade São Cristóvão Andreia Maruzo Perejão conta que as meningites bacterianas são mais graves que as virais e podem trazer risco de morte.

“Quem contrai a doença, normalmente sente febre, dores de cabeça e vômitos”, ressalta ela. É possível que o paciente apresente manchas arroxeadas na pele, rigidez na nuca e sensibilidade à luz.

Em casos mais graves, pode evoluir para convulsão, rebaixamento do nível de consciência, sepse, choque e vasculites (inflamação dos vasos sanguíneos), levando à necrose dos membros e, algumas vezes, até necessidade de amputação, ou mesmo a falência dos órgãos e morte.

Essa rápida evolução e início abrupto, pode levar ao óbito em menos de 24 a 48 horas.Por isso, é tão importante a necessidade de prevenção da doença. Além da amputação, outras sequelas podem ser distúrbios neurológicos e perda da visão e audição.

O tratamento das meningites bacterianas é feito com antibióticos, já as virais somente com medicações sintomáticas. “Para diagnosticar, além de análise clínica, é necessário confirmação com exame de líquor (punção de líquido da coluna)”, esclarece Andreia Maruzo Perejão.

Leia também: Nova vacina promete proteger até 91% contra as cepas de meningite B

Como prevenir?


No SUS a vacina contra meningite combate somente o subgrupo C, as demais podem ser adquiridas na rede privada

shutterstock

A forma mais eficaz de prevenção da condição é a vacinação
. Mas antes, é preciso entender quais são os sorogrupos – tipos de meningococo – que causam a maioria dos casos da doença meningocócica. Segundo a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), são cinco sorogrupos principais: A, B, C, W e Y. “ A importância de cada um varia conforme o país ou região, e também ao longo do tempo”, explica a entidade.

“No Brasil, a meningite é considerada uma doença endêmica, deste modo, casos da doença são esperados ao longo de todo o ano, com a ocorrência de surtos e epidemias ocasionais, e com a vacinação a doença pode ser controlada”, analisa Freitas.

O meningococo C foi responsável, em 2014, por 70% dos casos da enfermidade no Brasil. A proteção contra essa forma da condição entrou para o Calendário Básico de Vacinação da Criança do Programa Nacional de Imunização e é disponibilizada gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) desde 2010, administrada aos 3,5 e entre 12 e 15 meses de idade.

Neste ano, a faixa etária para atualização da vacinação foi ampliada pelo Ministério da Saúde para menores de 5 anos de idade, e mais uma dose de reforço foi introduzida para adolescentes de 11 a 14 anos.

Já na rede privada, existe uma vacina conjugada, que combate os sorogrupos A, C, W e Y. Essas doses podem ser utilizadas a partir dos 2 meses de idade. Adultos e adolescentes também podem tomar.

A vacina para a proteção contra a doença meningocócica causada pelo meningococo B é indicada para indivíduos dos dois meses aos 50 anos de idade e também só é encontrada em clínicas particulares.

Além do público-alvo

Adultos e adolescentes também devem ficar atentos à prevenção. Apesar de atingir, em sua maioria, crianças, a meningite pode ser transmitida por esse grupo, que são considerados os principais transmissores do microorganismo. Eles podem abrigar a bactéria ou vírus na região da orofaringe por semanas, infectando os mais suscetíveis, mesmo sem desenvolver a condição.

“A vacinação dos adolescentes é importante porque ela elimina o estado de portador, de modo que o jovem deixa de transmitir a bactéria para as populações mais suscetíveis, como crianças pequenas e idosos”, ressalta Ricardo Feijó, professor-associado do Departamento de Pediatria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)  e chefe da Unidade de Adolescentes do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA).

Grande parte das crianças diagnosticadas com meningite meningocócica contrai a doença justamente por meio de portadores assintomáticos, especialmente membros da família e cuidadores, segundo a literatura médica. “Isso ocorre porque, em geral, o sistema imunológico das crianças ainda está em desenvolvimento, é mais frágil”, explica Feijó.

Sendo assim, a SBIm também recomenda a vacina para adultos em situações de surtos ou viagens a locais de risco para meningite
.

Leia também: Depois de ser beijada por alguém com herpes, recém-nascido morre de meningite

O artigo Entenda porque é importante ter a vacina contra meningite em dia foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/saude.ig.com.br/minhasaude/2018-04-24/meningite-doenca-meningococica-o-que-e.html

Deixe uma resposta