Em procedimento inédito, cearense faz doação de sangue raro para bebê colombiano

Veja a matéria completa sobre Em procedimento inédito, cearense faz doação de sangue raro para bebê colombiano e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.


Colômbia precisou da ajuda da Opas para encontrar um indivíduo compatível para a doação de sangue

shutterstock

Na última semana, um bebê colombiano com um tipo sanguíneo raro foi salvo graças a uma transfusão de sangue que veio de um doador brasileiro. Conhecido como “hh” ou fenótipo de Bombaim, o sangue foi transferido para um hospital, em Medellín e conseguiu ajudar a menina de um ano e três meses que estava com sangramento digestivo grave e corria risco de vida.

Leia também: Hemorio tem baixa de doadores de sangue e estoques entram em estado de alerta

A tipo sanguíneo é tão difícil de encontrar que não havia nenhum cidadão compatível com a criança na Colômbia. Isso fez com que o país recorresse à Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) para encontrar alguém que pudesse ajudar a criança com a doação de sangue
em outras nações latino-americanos.

Foi então que um jovem brasileiro, do Ceará, de 23 anos, foi identificado e aceitou fazer a doação. O procedimento, inédito no Brasil, foi financiado pela Opas e, na última quarta-feira (12), a criança recebeu a bolsa de 370 mm, em Medellín.

Fenótipo incomum

Segundo informações do Ministério da Saúde, pessoas com fenótipo Bombaim
, como a criança colombiana, apresentam uma mutação genética que faz o genótipo A, B, ou AB expressarem o fenótipo O. Isso significa que esse indivíduo tem um tipo chamado de “falso O”, que não possui o antígeno H nem ABO.  

A deficiência para a enzima H não causa nenhuma doença, mas, no caso de transfusões de sangue, é necessário que somente sangue do mesmo fenótipo seja considerado.

Leia também: Exame de sangue pode diagnosticar depressão em adultos

De acordo com a Secretaria da Saúde, apenas 11 famílias possuem esse tipo de sangue raro. Na índia, onde se descobriu essa condição, a proporção de cidadãos com essa característica é de 1 em cada 10 mil. Já na Europa, as chances são ainda menores, de 1 em cada 1 milhão.

Doação

Apesar de estimulado pelos órgãos de saúde, a doação de sangue nem sempre é praticada com frequência, o que faz com que os estoques dos bancos fiquem, na maior parte do tempo, abaixo do ideal.

Para os interessados em colaborarem para transfusões de sangue, é preciso ter entre 16 e 69 anos, ir até um hospital que faça o procedimento ou hemocentro, estar alimentado e não ter feito ingestão de bebidas alcoólicas e pesar mais de 50 quilos. As outras regras você pode conferir clicando aqui
.

Leia também: Excesso de exames em bebês nas maternidades pode levar à transfusão de sangue

O artigo Em procedimento inédito, cearense faz doação de sangue raro para bebê colombiano foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/saude.ig.com.br/2017-07-17/doacao-de-sangue-colombia-brasil.html

Deixe uma resposta