Dois novos medicamentos para tratamento de Parkinson foram incorporados ao SUS

Veja a matéria completa sobre Dois novos medicamentos para tratamento de Parkinson foram incorporados ao SUS e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.


Segundo a Organização Mundial da Saúde, cerca de 1% da população global com mais de 65 anos tem Parkinson

shutterstock/Reprodução

Dois novos medicamentos estarão disponíveis para pacientes com Parkinson pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Os fármacos Rasagilina (1mg) e Clozapina (25mg e 100mg) são as novidades terapêuticas que prometem proporcionar mais qualidade de vida aos usuários que sofrem com transtornos associados à doença.

Leia também: Após avaliação, Anvisa proíbe herbicida que pode provocar Parkinson

A medida faz parte da atualização do Protocolo de Tratamento para Parkinson feito pelo Ministério da Saúde, que já havia incorporado, em agosto deste ano, a Rasagilina
. A droga, que promove a melhora da evolução clínica dos pacientes que iniciaram o medicamento na fase inicial da doença, ficará à disposição da população com Parkinson
até o final de fevereiro em todas as unidades de saúde do país.

A Clozapina
já era oferecida no SUS
para tratamento de transtorno bipolar e esquizofrenia. Agora, o medicamento passará a ser ofertado também para controle de sintomas psicóticos das pessoas com a patologia.

Aprovada na Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec), a oferta dos fármacos foi um pedido da Secretaria de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde. A portaria que renovou o protocolo sobre Parkinson foi publicada no Diário Oficial da União do dia 9 de novembro.

Atualmente, para o tratamento da doença o SUS oferece sete medicamentos para o tratamento da condição. São eles: Pramipexol; Amantadina; Bromocriptina; Entacapona; Selegilina; Tolcapona e Triexifenidil. Ainda existem outros três medicamentos (Levodopa+Carbidopa, Biperideno e Levodopa), que são ofertados por meio do Programa Farmácia Popular. Esses medicamentos podem ser retirados com até 90% de desconto.

Leia também: Veja como as células de porcos poderão melhorar a vida de quem tem Parkinson

Além disso, o sistema público de saúde ainda conta com procedimentos de implante de eletrodo e implante de gerador de pulsos, ambos para estimulação cerebral. Na lista de materiais especiais, também estão presentes o conjunto de eletrodo, extensão e gerador para estimulação cerebral.

O Brasil conta com 27 estabelecimentos habilitados pelo Ministério da Saúde
em Neurocirurgia Funcional Estereotáxica 105/008 – método minimamente invasivo de cirurgia cerebral -, sendo dois habilitados como Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Neurologia/Neurocirurgia e 25 habilitados como Centro de Referência de Alta Complexidade em Neurologia/Neurocirurgia.

Sem cura

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 1% da população mundial acima dos 65 anos tem a doença neurodegenerativa. No Brasil, estima-se que cerca de 200 mil pessoas sofram com o problema. Além das complicações motoras mais conhecidas, várias manifestações não motoras podem surgir à medida que a doença progride, inclusive os sintomas psicóticos.

Os sintomas motores mais comuns são: tremor, rigidez muscular, bradicinesia (lentidão na resposta) e alterações posturais. Entretanto, manifestações não motoras também podem ocorrer, como: comprometimento da memória, depressão, alterações do sono e distúrbios do sistema nervoso autônomo. A evolução dos sintomas é usualmente lenta, e variável em cada caso.

Leia também: Colher para pessoas com Parkinson será produzida no Brasil e terá preço popular

O artigo Dois novos medicamentos para tratamento de Parkinson foram incorporados ao SUS foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/saude.ig.com.br/2017-11-17/parkinson-medicamentos-sus.html

Deixe uma resposta