Como show de aberrações financiou uma revolução na medicina

Veja a matéria completa sobre Como show de aberrações financiou uma revolução na medicina e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.

BBC

Feiras de aberrações atraíam multidões de curiosos nos EUA e na Europa, no começo do século 20, reunindo de engolidores de espadas, mulheres tatuadas e dançarinas burlescas a bebês prematuros expostos em urnas de cristal.

Couney oferecia a pais desesperados uma alternativa nova quando os hospitais desenganavam seus bebês

AP

Na feira Luna Park de Coney Island, em Nova York, estes “bebês de incubadora” faziam parte de uma exposição cuja entrada custava US$ 0,25.

A exposição foi aberta em 1903 e se continuou em cartaz por 40 anos.

Mas, por trás das estranhas urnas havia mais do que um homem de negócios: o doutor Martin Couney, um neonatologista pioneiro que oferecia a pais desesperados uma alternativa inovadora, quando os hospitais consideravam seus bebês desenganados.

Era este dinheiro dos visitantes que financiava o trabalho gratuito de Couney.

Um médico fora do sistema

O médico se formou na Alemanha e mais tarde estudou em Paris com o doutor Pierre Budin, pioneiro na teoria das incubadoras fechadas, projetadas para manter o calor dos bebês e protegê-los dos germes.

Apesar dos resultados positivos, as técnicas de Couney e Budin não se encaixavam no receituário da maioria dos hospitais da época.

Beth Allen, nascida em 1941, é um dos bebês sobreviventes das incubadoras do doutor Couney. Foto: APBeth Allen mostra uma foto feita por seu pai da entrada da exposição de bebê prematuros em incubadoras. Foto: APBeth Allen em uma incubadora do dr. Martin Couney na exposição de Coney Island, Nova York, em 1941. Foto: APLucille Horn sobreviveu após ter nascido em 1920 pesando apenas 900 gramas. Foto: AP

Segundo conta Jeffrey P. Baker em um artigo sobre a história das incubadoras, Couney se queixava de ser visto como simples empresário, já que foi o “salvador” de milhares de crianças.

Ele afirmava que fazia “campanha pelos devidos cuidados aos prematuros”.

Na prática, afirma Baker, as exposições de bebês prematuros no começo do século 20 ofereciam uma tecnologia para cuidados médicos que nenhum hospital da época possuía.

Nas mostras, os bebês eram atendidos por médicos e enfermeiras que se revezavam em turnos.

O próprio doutor estimou ter mantido vivos entre 1903 e 1943 cerca de 7,5 mil dos 8,5 mil prematuros que passaram por suas incubadoras de exposição.

Um destes bebês sobreviventes é Beth Allen, que nasceu prematura em 1941, com uma irmã gêmea que não sobreviveu ao parto.

Foi o pai de Beth que registrou o trabalho de Couney em fotografias. É ela que aparece nos braços do próprio doutor Couney, na foto que ilustra o alto desta página.

Em entrevista à agência de noticias AP, Allen contou que a sua mãe a princípio não queria pôr a filha em uma das incubadoras de Coney Island, mas foi convencida pelo pai.

A mulher, que hoje tem 74 anos e mora em Nova Jersey, considera assustador o espetáculo de prematuros, algo impensável hoje em sua opinião.

“Quanto mais envelheço, mais aprecio a oportunidade que me foi dada para estar aqui hoje falando com você e para viver a vida maravilhosa que tive”, afirmou.

‘Acho que pesava apenas uns 900 gramas’

Lucille Horn, nascida em 1920, é outro bebê prematuro que sobreviveu graças às mostras de prematuros.

“O meu pai me disse que eu era tão pequena que eu cabia na palma da sua mão”, afirmou à própria filha em uma entrevista para o projeto StoryCorps, uma iniciativa americana de registro de histórias pessoais em áudio.

“Acho que pesava apenas uns 900 gramas, e não podia sobreviver por conta própria, era muito frágil”, diz ela na gravação.

Lucille também tinha uma irmã gêmea que morreu no parto. No hospital, não lhe deram a menor esperança de vida.

Mas ela conta que o pai não se deu por vencido: envolveu a criança numa toalha e a levou num táxi até Coney Island, onde o doutor Couney mantinha a exposição de prematuros.

E ali Lucille passou seis meses.

A hoje nonagenária afirma que quando era adolescente voltou à feira de aberrações para ver os bebês. E decidiu se apresentar ao doutor Couney ao vê-lo.

“Havia um homem em frente a uma incubadora olhando para o seu bebê, e o doutor Couney se aproximou e o tocou no ombro”, relembra Lucille.

“Olhe esta jovem, é um de nossos bebês. E é assim que o seu bebê irá crescer”, afirmou o médico ao pai agoniado, segundo a sobrevivente.

Popularização demorada

A invenção da incubadora em 1880 alimentou décadas de entusiasmo popular e médico, mas o desenvolvimento da tecnologia foi lento nos 50 anos seguintes.

Um artigo publicado em 2000 na revista especializada Journal of Perinatology aponta que é importante considerar esta história não apenas pelo lado tecnológico, mas sob a perspectiva da responsabilidade em relação ao recém-nascido, e como esta foi sendo transferida das mães aos obstetras e, depois, aos pediatras.

O doutor Couney morreu em 1950, pouco depois da popularização das incubadoras nos hospitais.

Atualmente, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), 15 milhões de prematuros nascem por ano – são prematuros os nascimentos registrados antes da 37ª semana de gestação, das 40 de praxe.

Cerca de um milhão desses bebês não sobrevive. E muitas destas mortes podem ser evitadas mantendo apenas o calor dos bebês.

A temperatura do corpo de um bebê cai logo que ele deixa o ambiente controlado do útero materno. Por isso é importante regular a sua temperatura após o parto.

Ocorre, contudo, que prematuros possuem pouca gordura corporal, daí a capacidade reduzida de controlar a própria temperatura – e a importância do experimento do dr. Couney.

LEIA MAIS NOTÍCIAS DE SAÚDE

O artigo Como show de aberrações financiou uma revolução na medicina foi originalmente publicado em http://ig.saude.feedsportal.com/c/33518/f/637141/s/490c2be2/sc/19/l/0Lsaude0Big0N0Bbr0Cminhasaude0C20A150E0A80E170Ccomo0Eshow0Ede0Eaberracoes0Efinanciou0Euma0Erevolucao0Ena0Emedicina0Bhtml/story01.htm

Deixe uma resposta