Cientistas criam adesivo de insulina que pode substituir injeções em diabéticos

Veja a matéria completa sobre Cientistas criam adesivo de insulina que pode substituir injeções em diabéticos e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.


Adesivo que estimula a produção de insulina deverá ser testado em humanos em breve, afirmam os pesquisadores

Divulgação

Mais de 300 milhões de pessoas que vivem com diabetes poderão se beneficiar com a invenção de um novo dispositivo que promete substituir o uso de injeções dolorosas de insulina e testes de punção.

Leia também: Diabetes e alimentação: siga 7 dicas para não descuidar da saúde no fim do ano

Cientistas americanos desenvolveram um adesivo para colocar na pele que parece ser inovador. Ele é capaz de estimular a própria produção de insulina do corpo e controlar os níveis de açúcar no sangue em pessoas com diabetes
. Além de ser livre de dor, a aplicação é feita semanalmente.

O tratamento formulado bioquimicamente ajuda a manter a condição controlada fornecendo uma substância natural, que é extraída de algas marrons e misturada com agentes terapêuticos, através de microagulhas dissolvíveis – projetadas para liberar os ingredientes ativos rapidamente quando necessário e para diminuir ou parar quando os níveis de glicose
se estabilizam.

Ainda não foram realizados os testes com humanos, mas os pesquisadores afirmaram que sua eficácia como um tratamento foi comprovada após avaliações em camundongos.

As taxas de diabetes aumentaram nas últimas duas décadas. A doença afeta 371 milhões de pessoas em todo o mundo, metade das quais não sabem do diagnostico
, conforme informou a Federação Internacional de Diabetes.

A condição é uma das principais causas de cegueira, insuficiência renal, ataques cardíacos, acidente vascular cerebral e amputação de membros inferiores.

O diretor científico do National Institute of Biomedical Imaging and Bioengineering (NIBIB) em Maryland, nos Estados Unidos, Richard Leapman afirmou que esta abordagem experimental poderia ser uma maneira de tirar proveito do fato de que pessoas com diabetes tipo 2 ainda podem produzir alguma insulina
.

“Um adesivo semanal também seria menos complicado e doloroso do que as rotinas que exigem exames de sangue frequentes”, afirmou Leapman.

Como funciona

A insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas, que permite que o corpo use açúcar (glicose) de carboidratos nos alimentos ingeridos. É responsável por mover a glicose da corrente sanguínea para células onde o açúcar pode ser convertido em energia ou armazenado.

No entanto, em pessoas com diabetes tipo 2, a capacidade do corpo de fazer ou usar insulina é progressivamente prejudicada.

Muitos pacientes necessitam de terapia com insulina, geralmente por injeção, em quantidades que são calculadas de acordo com o déficit individual do hormônio no sangue. Mas, segundo observaram os pesquisadores, a terapia com insulina não é bem gerenciada na metade dos casos.

 Sendo assim, foi pensada uma fórmula que consiste em dois compostos – exendin-4 e glicose oxidase – que reagem com a química do sangue para desencadear a produção de insulina. Cada um é combinado com uma partícula mineral de fosfato, que estabiliza o composto até que seja necessário.

“A maioria das abordagens atuais existentes para este fim envolve a liberação constante de insulina. Já a nossa abordagem cria uma onda de liberação rápida apenas quando necessário e depois retarda ou mesmo para a liberação quando o nível de glicose fica estável”, ressaltou o diretor científico.

A ideia agora é partir para testes em humanos para comprovar a eficácia e aperfeiçoar o método.

Leia também: Cirurgia metabólica é reconhecida pelo CFM como tratamento para diabéticos

O artigo Cientistas criam adesivo de insulina que pode substituir injeções em diabéticos foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/saude.ig.com.br/2017-12-27/diabetes-adesivo-insulina.html

Deixe uma resposta