Campanha itinerante alerta sobre a saúde dos ossos

Veja a matéria completa sobre Campanha itinerante alerta sobre a saúde dos ossos e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.


Divulgação / Danone

Saber mais sobre os ossos e aprender a prevenir a osteoporose por meio de um tour guiado dentro de um osso
inflável de 30 metros.

Quem se dispuser a conferir essa iniciativa divertida e educativa também poderá fazer um exame de densitometria óssea, que avalia a densidade dos ossos do corpo e consegue identificar se a pessoa tem ou está em risco de desenvolver osteoporose.

O resultado sai na hora e a pessoa recebe orientação de quais especialidades médicas se deve procurar para fazer o tratamento, caso o resultado aponte para a doença.

Saiba mais sobre a osteoporose na Enciclopédia da Saúde

Até domingo (14), o Parque do Ibirapuera, em São Paulo, sedia a primeira parada da Campanha Nacional de Conscientização da Mulher Brasileira, promovida pela Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (ABRASSO). A iniciativa percorrerá outras quatro cidades brasileiras até outubro deste ano, aumentando a conscientização da população sobre a osteoporose e a saúde óssea.

Após a passagem por São Paulo, o osso gigante e a carreta que carrega o aparelho que realiza o exame de densitometria passará por Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Curitiba e Campinas, voltando à capital paulista em outubro.

Entenda a doença

A osteoporose é silenciosa. E, por esse motivo, a prevenção dela é, por muitas vezes, negligenciada pela população, que só percebe os danos depois que já aconteceu uma significativa perda óssea.

A osteoporose deixa o esqueleto frágil e cria um ambiente oportuno para possíveis fraturas, o maior perigo causado pelo desgaste.

“O osso é um reservatório de cálcio, mas esse mineral é também muito importante para outras funções vitais no organismo, como a contração do músculo cardíaco. O organismo vai tentar manter um nível constante de cálcio no sangue, e, se não conseguir, vai começar a retirar dos ossos, causando a osteoporose”, explica Luciano Pompei, presidente da Comissão Nacional de Climatério da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia e professor de ginecologia da Faculdade de Medicina do ABC.

Cálcio e a vitamina D

A prevenção é o melhor remédio. Uma dieta que consegue suprir as necessidades diárias de cálcio impede que o organismo busque o mineral na maior reserva que temos: nos ossos. O reumatologista Marcelo Pinheiro, chefe do ambulatório de doenças ósteo-metabólicas da disciplina de reumatologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) aponta que a vitamina D é importante para a absorção de cálcio.

“Sem vitamina D o organismo não consegue absorver cálcio”, explica, ressaltando que 90% da vitamina vem do sol, e somente 10% da dieta.

Expor-se ao sol sem protetor solar diariamente, por 15 minutos, no momento em que o sol não está forte é essencial para a manutenção dessa vitamina no organismo.

“O difícil é convencer as mulheres a tomarem sol, já que o sol é causador de rugas, envelhecimento da pele e câncer”, explica, ressaltando que não existem estudos que mostrem que os minutinhos diários recomendados para a saúde dos ossos causem câncer de pele.

“A recomendação é tomar sol antes das 10h e depois das 16h, mas, é claro, a intensidade depende da latitude. O sol das 10h do Equador é com certeza mais forte do que o do sul do Brasil”, explica o ginecologista Luciano Pompei.

Já a reumatologista Vera Szejnfeld, diretora científica da ABRASSO e professora de reumatologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), explica que, conforme as pessoas vão ficando mais velhas, elas perdem a capacidade de sintetizar vitamina D.

“Não adianta colocar o idoso no sol, você vai acabar queimando ele e não vai conseguir atingir os níveis adequados de vitamina D. Então é melhor tomar sol em comprimidos ou em gotas”, diz Vera, referindo-se à medicamentos específicos para este fim.

Prevenção

A prevenção deve se iniciar ainda na infância. “Quanto mais cálcio a pessoa acumular, melhor. Acumulamos 90% de massa óssea até os 18 ou 20 anos. Dos 20 aos 30, conseguimos mais 10%. Depois é só estabilidade ou perda”, alerta Pompei.

Os alimentos mais ricos em cálcio são os leites e derivados. “Os vegetais, como brócolis e espinafre, também têm cálcio, porém não são tão bem absorvidos”, explica o reumatologista Marcelo Pinheiro.

Hoje, além do leite, existem alimentos fortificados, como iogurtes com adição de cálcio e vitamina D, e também suplementos, que repõem a quantidade recomendada diariamente.

Serviço

Tour da Saúde Óssea

Quando: de 12 a 14 de julho, das 9h às 17h

Onde: Portão 10 do Parque do Ibirapuera (Atrás do Museu Afro-Brasileiro), São Paulo – SP

Quanto: grátis

Próximas datas

Belo Horizonte: 23, 24 e 25 de agosto

Curitiba: 13,14 e 15 de setembro

Rio de Janeiro: 4, 5 e 6 de outubro

São Paulo: 18, 19 e 20 de outubro

Campinas: 8, 9 e 10 de novembro

O artigo Campanha itinerante alerta sobre a saúde dos ossos foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/minhasaude/2013-07-12/campanha-itinerante-alerta-sobre-a-saude-dos-ossos.html

Deixe uma resposta