Calcinhas e cuecas mal higienizadas podem abrigar até 10 mil bactérias e fungos

Veja a matéria completa sobre Calcinhas e cuecas mal higienizadas podem abrigar até 10 mil bactérias e fungos e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.


Higienização correta de calcinhas e cuecas pode evitar problemas como infecção urinária, inflamações e alergias

shutterstock

Eles estão por toda parte. Por mais que sejam invisíveis aos olhos, microrganismos como fungos e bactérias podem ser resistentes e permanecerem em locais que parecem limpos. A regra vale também quando se trata de calcinhas e cuecas, cujos cuidados com a higiene devem ser redobrados já que, quando contaminados, podem colocar a saúde em risco.

Leia também: Criança arranhada por gato quase morre de síndrome de choque tóxico; entenda

De acordo com uma pesquisa feita pela Faculdade Devry Metrocamp, em Campinas, São Paulo, as peças íntimas podem conter até 10 mil bactérias e fungos em calcinhas
e cuecas usadas – mesmo depois de serem lavadas várias vezes -, e até mesmo nas que nunca foram usadas e acabaram de ser compradas. As informações são da EPTV, uma afiliada da TV Globo.

Ao entrar em contato com esses microrganismos o indivíduo fica mais propenso a desenvolver alergias, micoses, incontinência urinária e até infecções graves. Sem contar o desconforto que provoca coceira,  ardência e irritação na região vaginal e peniana.

Pesquisa

Para realizar o estudo, foram analisadas 52 peças – 27 novas e 25 usadas. A contaminação nas roupas íntimas recém-compradas foi de 85% por bactérias resistentes, já em relação às que já foram vestidas e lavadas a taxa ficou em 92%.

As calcinhas e cuecas usadas apresentaram bactérias e fungos capazes de provocar corrimento, dor, febre, alergia, ardência, irritação na pele, inflamações e infecções anais, penianas e de urina graves. Pessoas com hemorroidas e fístulas anais, ou que acabaram de fazer alguma cirurgia no local são as mais suscetíveis à contaminação.

Leia também: Mais da metade dos pacientes com sepse vai a óbito nas UTIs do Brasil

Os sutiãs também podem apresentar riscos à saúde. Mulheres que estão amamentando, por exemplo, costumam ter fissuras nos mamilos, o que pode significar fácil acesso para as bactérias e fungos ao organismo, e o surgimento de furúnculos, inflamações e manchas.

Limpeza correta

Para evitar que esses tipos de complicações aconteçam, é preciso que a higiene das peças íntimas esteja sempre em dia. O ideal é lavá-las com sabão neutro – nada de shampoo ou sabão em pó, por exemplo – e que isso seja feito logo depois que ela for usada, porque ao ficar no cesto junto com outras roupas, as chances de contaminação são maiores.

A secagem também exige alguns cuidados. Essa etapa deve ser feita em um local arejado e não se deve pendurar as roupas íntimas do avesso para evitar que insetos acessem o forro das peças. 

Para finalizar, é importante passar as peças com ferro – desde que não seja a vapor -, já que a maioria dos microrganismos não resiste a altas temperaturas. 

Além disso, calcinhas, cuecas e sutiãs novos devem sempre ser lavados antes de usados.

Leia também: Após fazer mastectomia, mulher teve os tecidos dos seios destruídos por bactéria

O artigo Calcinhas e cuecas mal higienizadas podem abrigar até 10 mil bactérias e fungos foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/saude.ig.com.br/2017-11-27/calcinhas-cuecas-bacteria.html

Deixe uma resposta