Anvisa orienta que vacina da dengue não seja tomada por quem não teve a doença

Veja a matéria completa sobre Anvisa orienta que vacina da dengue não seja tomada por quem não teve a doença e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.


Quem tomou vacina da dengue sem ter sido infectado pode ter variações mais graves da doença ao ser exposto ao vírus

shutterstock

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) passou a orientar a partir desta quarta-feira (29) que a vacina da dengue não seja tomada por quem ainda não teve a doença. Segundo a agência, o imunizante, disponível na rede privada em grande parte do país, é considerado seguro apenas para quem já foi infectado pelo vírus.

Leia também: Cientistas encontram seis tipos de bactérias capazes de combater o Aedes aegypti

A medida foi tomada após o fabricante da vacina Dengvaxia, o laboratório Sanofi-Aventis, apresentar informações preliminares e ainda não conclusivas que apontam que indivíduos que não tiveram contato prévio com o vírus da doença, ao tomarem a vacina da dengue
podem desenvolver formas mais graves da patologia, caso sejam expostos à picada de um mosquito infectado posteriormente.

Em nota, a Anvisa
informa que “a vacina em si não desencadearia um quadro grave da doença nem induzia ao aparecimento da doença de forma espontânea. Para isso, é necessário o contato posterior com o vírus da dengue
por meio da picada de um mosquito infectado”.

Inicialmente, a bula da vacina será atualizada, enquanto a Anvisa avalia os dados completos dos estudos a serem apresentados.

Tomar ou não a vacina?

De acordo com as recomendações da agência regulamentadora, a orientação até que a avaliação seja concluída é que a vacina não seja tomada por pessoas soronegativas, ou seja, quem nunca teve contato com o vírus da dengue.

“Esclarecemos que este risco não havia sido identificado nos estudos apresentados para o registro da vacina na população para a qual a vacina foi aprovada”, informou a entidade. A Organização Mundial da Saúde (OMS) coloca, em suas diretrizes para vacina da dengue, que é necessário um acompanhamento dos pacientes dos testes iniciais por mais quatro anos. De acordo com a Sanofi, isso foi feito.

“Antes do registro, a vacina foi estudada em mais de 40.000 pessoas em todo o mundo. Os ensaios clínicos seguiram os padrões estabelecidos por guias internacionais como “Guidelines for the clinical evaluation of dengue vaccines in endemic areas” da Organização Mundial da Saúde (OMS)”, informou a empresa por meio de nota.

Leia também: Mais de 350 cidades ainda correm risco de surto de dengue, zika e chikungunya

Proteção

A Dengvaxia foi aprovada no Brasil em 28 de dezembro de 2015 e foi a única vacina aprovada no País.  O imunizante não é oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no Programa Nacional de Imunizações (PNI).

O produto é indicado para imunização contra os quatro subtipos do vírus da dengue. E, segundo a fabricante, “para as pessoas que já tiveram dengue, o benefício do uso da vacina permanece favorável”.

A companhia também informou que “as informações preliminares sobre alteração do perfil de segurança da vacina foram apresentadas para a Anvisa nesta semana. A Agência já realizou uma reunião com a Sanofi e com o grupo de vacinas da Organização Mundial da Saúde para avaliar o caso”.

Leia também: Quem já teve zika não corre o risco de ser infectado novamente, diz pesquisa

O artigo Anvisa orienta que vacina da dengue não seja tomada por quem não teve a doença foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/saude.ig.com.br/2017-11-29/vacina-dengue-proibida-anvisa.html

Deixe uma resposta