Sri Lanka anuncia dieta para monges budistas obesos

Veja a matéria completa sobre Sri Lanka anuncia dieta para monges budistas obesos e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.

AFP


AFP / LAKRUWAN WANNIARACHCHI

As autoridades do Sri Lanka pediram aos fiéis que ajudem o governo a lutar contra a crescente obesidade dos monges e que ofereçam aos religiosos comidas menos gordurosas e com pouco açúcar.

Leia:
Epidemia de obesidade pode gerar “tsunami” de problemas cardíacos

Os monges cingaleses consomem o equivalente a 12 colheradas pequenas de açúcar por dia, quatro mais do que deveriam, assim como muito azeite e sal, segundo o ministério da Saúde.

“O diabetes e outras doenças não transmissíveis dos monges budistas podem ser combatidas se os fiéis aplicarem novas diretrizes sobre a dieta”, destacou o ministério.

Metade dos 40.000 monges da ilha está exposta ao risco de diabetes
, contra 10% do restante da população, segundo o governo, que recomenda a adoção na dieta de de arroz integral, três tipos de verdura e dois tipos de fruta.

Veja no infográfico:
como a obesidade afeta o corpo

O budismo é a religião da maioria dos 20 milhões de cingaleses. Segundo suas crenças, preparar pratos, doces e biscoitos para os monges garante um bom carma nesta vida e na próxima, além de proteger os falecidos.

Os pratos costumam ser muito calóricos. Em alguns casos, os fiéis reservam com um ano de antecedência para ter o privilégio de cozinhar para os monges.

Leia mais notícias de saúde

O artigo Sri Lanka anuncia dieta para monges budistas obesos foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/minhasaude/2012-12-16/sri-lanka-anuncia-dieta-para-monges-budistas-obesos.html

Médicos esclarecem dúvidas sobre doenças cardíacas em crianças

Veja a matéria completa sobre Médicos esclarecem dúvidas sobre doenças cardíacas em crianças e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.


Getty Images

Sopro no coração
em crianças não é doença, na maioria dos casos, e a alimentação da mãe não influencia o surgimento de doenças cardíacas congênitas. O iG
ouviu quatro cardiologistas pediátricos, que tiraram essas e outras dúvidas frequentes de mães e pais, durante o Congresso Brasileiro de Cardiologia Pediátrica, realizado em Foz do Iguaçu (PR).

Leia mais sobre sorpo cardíaco na Enciclopédia da Saúde

Nos vídeos, os médicos explicam alguns sinais que devem chamar a atenção sobre a possibilidade problema cardíaco na criança e alertam ainda que grávidas com cardiopatias têm chances de 6% a 10% de gerar filhos com problemas no coração, não necessariamente os mesmos problemas cardíacos delas.

Sintomas de alerta de problemas cardíacos na criança

Se o bebê tem lábios, língua e extremidades arroxeadas – uma condição chamada cianose – sente cansaço e precisa parar seguidamente a mamada para respirar, tem infecções respiratórias seguidas e dificuldade para ganhar peso e altura, os pais devem levá-lo a um cardiologista pediátrico. Esse especialista pode identificar com mais precisão se existe algum problema real e tratá-lo de forma adequada. 

No vídeo a seguir, Flávia Pasquinelli Cabral, professora da Faculdade de Medicina de Itajubá (MG), enumera alguns sintomas que devem alertar os pais:



Na maioria dos casos, “sopro” no coração não é doença

Apesar de temido, o tão falado “sopro” no coração é apenas um som que o médico ouve ao estetoscópio quando faz a ausculta o paciente.

“O sopro é a manifestação de alguma turbulência no sangue. Pode representar de fato um problema ou pode ser o chamado ‘sopro inocente’”, explica Ieda Jatene, chefe da cardiologia pediátrica do HCor (Hospital do Coração), em São Paulo.

“É preciso acabar com o mito de que o sopro é algo extremamente grave”, diz a médica Flávia Navarro.

No vídeo, o especialista Marcelo Credidio, do Hospital Pequeno Príncipe, de Curitiba (PR), explica que, em 90% dos casos, o “sopro” não ocorre em função de defeito cardíaco:



Filhos de mães com cardiopatias têm chance de 6% a 10% de gerar filhos

com problemas cardíacos

Ieda Jatene esclarece que mães com cardiopatias congênitas tem de 6% a 10% de chances de dar à luz bebês com problemas no coração, mas não necessariamente o mesmo que elas têm. Diabéticas, por exemplo, tem 10% mais chances de terem bebês com alguma cardiopatia. Veja a explicação:



Alimentação da gestante não gera problema cardíaco em bebê

Este é outro mito comum, explica o cardiologista pediátrico Marcelo Credidio, do Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba (PR). Ele diz que a alimentação da gestante pode gerar outros problemas para o bebê, mas não influencia nem pode causar cardiopatias congênitas. Os médicos alertam, porém, que a má alimentação da grávida pode causar outros prejuízos para os bebês, como a desnutrição. Veja:

* O repórter do iG viajou a convite do XXII Congresso Brasileiro de Cardiologia Pediátrica




Leia mais notícias de saúde

O artigo Médicos esclarecem dúvidas sobre doenças cardíacas em crianças foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/minhasaude/2012-12-16/medicos-esclarecem-duvidas-sobre-doencas-cardiacas-em-criancas.html

Usar ou não Usar Silicones – Eis a Questão

A matéria Usar ou não Usar Silicones – Eis a Questão você lê em detalhes aqui, ou confira mais notícias sobre Moda, Saúde e Beleza em Produtos de Beleza.


Outra pergunta que recebo sempre é sobre o uso de silicones nos cabelos ao aderir ao método no-poo ou low-poo. Muitas pessoas alegam que o uso de produtos com silicone não é compatível com o uso de shampoos sem sulfato, mas eu discordo. Há esta percepção de que shampoo sem sulfato, por fazer menos espuma ou nem fazer espuma alguma, talvez não lave o cabelo direito, mas não é o caso.

  • Shampoo sem sulfato lava o cabelo muito bem
  • Shampoo com sulfato destrói o cabelo, por ser agressivo demais

Mesmo quem decide cortar o shampoo por completo e ir 100% no-poo, ainda assim consegue lavar o cabelo direitinho ao passar bicarbonato no couro cabeludo e usar vinagre no enxágue para controlar o pH.

Saiba mais sobre o método No-Poo

Há quase 3 anos eu não uso shampoo comum (com sulfatos) – alguns são melhores que outros, mas hoje não tenho problemas com meu cabelo. Eu uso produtos com silicones, óleos, leave-in, sprays, mousse, de tudo, pois estou sempre testando produtos novos e fazendo arte com meu cabelo e te garanto que meu cabelo não tem resíduos, não é sujo, tem brilho, é cheirosinho e sedoso.

Eu não vou 100% no-poo, apenas uso shampoo sem sulfato ( no momento o Hidrate do Trade Joes), condicionador comum. Lavo meu cabelo cerca de 4 vezes por semana. Após lavar, quase sempre deixo meu cabelo secar ao ar livre, sempre penteio após secar. Uso uma mistura de óleo de coco e silicone como sérum leave-in. Às vezes uso óleo de alecrim nas pontas quando estão mais ressecadas.

Gosto de silicones e óleos, eles protegem e hidratam os cabelos e ajudam a eliminar frizz, tiram volume e a mantêm os fios saudáveis. Não há nada de errado em usar silicones no cabelo, pelo contrário.

Quando Não Usar Silicone

Você só deve parar de usar silicone se decidir lavar o cabelo apenas com condicionador. Eu fiz isso por muito tempo, mas senti que meu cabelo estava acumulando resíduo e também tive problemas com o condicionador que estava usando, que deixava meu cabelo com muito volume. Mas isso pode ser uma boa opção especialmente para cabelos cacheados e crespos.

É preciso testar o método ideal para você, no-poo, low-poo (uso de shampoo sem sulfatos) ou lavar com condicionador são alternativas bem melhores ao shampoo comum, escolha a sua.

O artigo Usar ou não Usar Silicones – Eis a Questão foi originalmente publicado em http://www.produtosdebeleza.com/usar-ou-nao-usar-silicones-eis-a-questao.html