Britânica morre de câncer após receber pulmão de fumante

Veja a matéria completa sobre Britânica morre de câncer após receber pulmão de fumante e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.

BBC


Reprodução

Uma britânica de 27 anos morreu de câncer
após receber o pulmão
de um fumante em um transplante.

Jennifer Wederell, que sofria de fibrose cística, morreu em casa, no condado de Essex, no sudeste da Grã-Bretanha, 16 meses após a operação.

Saiba mais sobre a fibrose cística na Enciclopédia da Saúde

Seu pai, Colin Grannell, diz acreditar que a filha não teria concordado com o transplante se soubesse que o doador, um homem de meia-idade, era um fumante compulsivo.

Transplantes de órgãos e tecidos: entenda os procedimentos

O hospital que realizou a operação se desculpou por não oferecer uma opção a Jennifer. A jovem foi diagnosticada com fibrose cística aos 2 anos, e com 20 e poucos anos passou a usar um tubo de oxigênio 24 horas por dia.

Leia a história da brasileira Karine:
“Eu vivo. Não conto o tempo”

Ela estava havia 18 meses na lista de espera por um transplante de pulmão quando, em abril de 2011, foi avisada de que um doador havia sido encontrado. Grannell disse que a família esperou aquele momento por anos e pensava que o transplante ajudaria a filha a derrotar a doença. Mas em fevereiro deste ano, um tumor maligno foi encontrado no pulmão de Jennifer.

‘Riscos maiores’

“O choque imediatamente se transformou em raiva, porque quando os riscos foram explicados na hora anterior ao transplante, em nenhum momento foi mencionado que seria usado o pulmão de um fumante”, disse Grannell.

“Ela estava morrendo uma morte que deveria ser de outra pessoa”, afirma.

Grannell criou um grupo no Facebook, chamado Jennifer’s Choice (A escolha de Jennifer) para estimular não-fumantes a se registrarem como doadores de órgãos.

A administração do hospital onde o transplante foi realizado afirmou em um comunicado que “é muito raro que os pacientes especifiquem que não querem receber pulmões saudáveis de fumantes”.

“Os riscos são muito maiores se o paciente recusa um pulmão de um doador fumante e decide esperar por outro órgão que seja compatível e também de um não-fumante”, diz o comunicado.

O hospital afirmou, porém, que reconhece que Jennifer deveria ter tido a opção de escolher. “Pedimos desculpas sinceras pelo descuido”, afirma.

“Infelizmente, o número de pulmões disponíveis para transplante cairia 40% se houvesse uma política de recusar aqueles que vêm de fumantes. As listas de espera aumentariam e muito mais pacientes morreriam sem um transplante”, diz.

Leia mais notícias de saúde

O artigo Britânica morre de câncer após receber pulmão de fumante foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/2012-12-18/britanica-morre-de-cancer-apos-receber-pulmao-de-fumante.html

Reconheça os sinais da depressão

Veja a matéria completa sobre Reconheça os sinais da depressão e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.


Getty Images

A temporada de festas e férias costuma ser de alegria. Mas para muita gente o período pode levar à depressão
.

“A proximidade das festas de final de ano pode causar a chamada depressão sazonal. Muitas pessoas se entristecem com a lembrança de entes queridos que já se foram e outras se sentem frustradas por não terem realizado os sonhos planejados”, diz o cardiologista Roque Savioli, supervisor da Divisão Clínica do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP.

Siga o iG Saúde no Twitter

É natural que nessa época do ano, explica o especialista, os profissionais estejam no limite do estresse, sentindo-se mais cansados do que o normal.

“Algumas pessoas conseguem superar as decepções e a tristeza, depositando no ano que se inicia novas esperanças. Mas existem aquelas que acabam adoecendo e entrando em depressão.”

A Clínica Cleveland, nos Estados Unidos, menciona alguns fatores de risco que podem levar algumas pessoas a sentirem-se deprimidas nos feriados, veja:

  • Entrar em férias com problemas familiares para resolver ou lembranças dolorosas
  • Obrigar-se a se sentir feliz
  • Lidar com a perda de um ente querido ou passar as férias longe de amigos e familiares
  • Desenvolver expectativas irreais ou pensamentos negativos durante o ano que passou
  • Lidar com mudanças na família, como divórcio ou morte
  • Exagerar no álcool durante o período

++ FAÇA O TESTE: Você pode estar deprimido?

Leia mais notícias de saúde

O artigo Reconheça os sinais da depressão foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/minhasaude/2012-12-18/reconheca-os-sinais-da-depressao.html

Veja quais são os problemas ginecológicos mais frequentes no verão – em Cuidados com o corpo

A candidíase, tricomoníase e vaginose bacteriana estão na lista das principais doenças ginecológicas mais recorrentes na estação mais quente do ano. Saiba mais e não deixe de se prevenir!

Reportagem: Monique Zagari Garcia



doencas-ginecologicas-verao

A higiene íntima dever ser feita após urinar, evacuar, ter

relações sexuais e ao trocar o absorvente
Foto: Danilo Borges

Está cada vez mais próxima a época em que os termômetros registram as mais altas temperaturas do ano: o verão começa a dar o ar da graça no dia 21 de dezembro, trazendo dias de muito sol e calor. É nessa época que alguns cuidados com o corpo devem ser redobrados, pois é justamente quando a temperatura sobe que alguns episódios desagradáveis podem surgir comprometendo a saúde feminina. “Durante o verão é muito comum que frequentemos piscinas e praias. Dentro deste contexto, o uso prolongado de peças úmidas e roupas com tecidos sintéticos levam ao aumento da umidade e temperatura da região genital, proporcionando condições favoráveis para o crescimento de fungos, protozoários e bactérias no local. Além disso, tais hábitos podem fazer com que os corrimentos tornem-se mais recorrentes nesta época do ano”, esclarece o Dr. Fábio Sakae Kuteken, ginecologista do Hospital São Camilo (SP).

No que diz respeito aos corrimentos, o Dr. Domingos Mantelli Borges Filho (SP) explica que existem diferentes tipos e que cada um exige um tratamento específico. “Sempre que notar algo errado, é fundamental buscar ajuda médica para que o diagnóstico correto seja feito”, alerta. Dentre as doenças ginecológicas mais frequentes no verão, o especialista destacou a candidíase, tricomoníase e vaginose. Entenda cada uma:


Candidíase

Segundo o Dr. Domingos, a candidíase é causada pelo fungo do gênero cândida, um micro-organismo que pode ser, inclusive, transmitido durante o ato sexual, embora não seja considerada uma DST (doença sexualmente transmissível). A candidíase causa coceira e dor vaginal, dor para urinar, dor no ato sexual e corrimento branco com odor cítrico, tipo leite talhado. “O problema tem cura, e o tratamento deve ser feito com antifúngico via oral e creme vaginal, por uma semana”, ressalta o médico.

Tricomoníase

“É uma doença causada pelo parasita Trichomonas vaginalis e a transmissão é pela via sexual”, informa o ginecologista. A tricomoníase causa inflamação da vagina que vem acompanhada de um corrimento amarelo-esverdeado de odor desagradável associado à dor para urinar e dor durante o ato sexual. O Dr. Domingos ressalta que se a doença não for tratada é fator de risco para infertilidade e câncer do colo do útero. O tratamento é feito com medicamento via oral e, apesar de ser muito eficiente, não trata outros problemas, como gonorreia e candidíase. “Por isso cada tipo de corrimento conta com um tratamento específico”, justifica.

Vaginose bacteriana

A vaginose bacteriana é causada principalmente pela bactéria Gardnerella Vaginalis. “Seu principal sinal é um corrimento amarelo ou branco-acinzentado, com um cheiro forte de peixe podre, que piora durante as relações sexuais e a menstruação. Também pode provocar ardor e um pouco de coceira”, informa o especialista. O tratamento também é realizado com medicamento via oral e creme vaginal.

Previna-se!

Anote as dicas simples (mas de ouro!) dadas pelo Dr. Domingos a fim de minimizar os riscos de desenvolver as três doenças:

– Evite usar calças apertadas! Prefira utilizar roupas mais leves e ventiladas como vestidos e saias. Quanto às partes de baixo, calcinhas de algodão as são sempre a melhor opção;

– É fundamental manter a higienização adequada na região genital. Para facilitar, deixe os pelos pubianos sempre aparados. Também é importante fazer higiene íntima após urinar, evacuar, ter relações sexuais e ao trocar o absorvente (a cada quatro horas). O sabonete utilizado deve ser neutro ou sabonete higiênico íntimo indicado pelo ginecologista. “Não utilize sabonete comum na higiene íntima, e após a lavagem externa, utilize toalha higiênica para secar a genitália. O uso regular e descuidado do papel higiênico pode causar irritação local”, alerta o Dr. Domingos.

– Lave roupas íntimas com água e sabão e seque-as ao sol. Não as seque em ambientes fechados e úmidos como banheiros;

– Jamais compartilhe sabonetes, peças íntimas e toalhas

 

O artigo Veja quais são os problemas ginecológicos mais frequentes no verão – em Cuidados com o corpo
foi originalmente publicado em http://corpoacorpo.uol.com.br/corpo-e-rosto/corpo-e-rosto/cuidados-com-o-corpo/veja-quais-sao-os-problemas-ginecologicos-mais-frequentes-no-verao/3097