Conheça maneiras eficazes de aliviar cólicas menstruais – em Mulher de Corpo

Nem sempre ela vem todo mês, mas quando chega não manda recado e se torna um fator limitante da rotina. A boa notícia é que algumas medidas ajudam a conviver melhor com esse desconforto

Texto Natasha Franco | Edição Isabela Leal | Fotos Getty Image

Toda mulher sabe que muitas vezes a vida precisa ser programada de acordo com o calendário, porque os hormônios da menstruação afetam o corpo de diversas formas ao longo dos ciclos de cerca de 28 dias. Até que a menstruação aconteça, tanto o emocional como o físico podem sofrer. E as cólicas menstruais, também conhecidas como dismenorreia, são protagonistas nesta história toda, ou seria melhor chamá-las de vilãs? “Essas dores pioram progressivamente e apresentam a característica de serem intermitentes, ou seja, não contínuas, como se apertassem algum órgão na sua pelve”, define a ginecologista e obstetra Viviane Monteiro, do Rio de Janeiro (RJ). 

Realmente, elas não parecem espasmos sem causa. De fato, o útero está se contraindo, e isso ocorre devido à ação de substâncias específicas. “São as prostaglandinas que geram contrações descoordenadas do útero com consequente isque mia (falta de oxigênio) do músculo e acúmulo de outras substâncias que estimulam as fibras nervosas existentes na região, gerando dor”, considera a ginecologista e acupunturista Elba Lúcia Wanderley, diretora de ensino do Colégio Médico de Acupuntura de Pernambuco (PE).

As dores são mais comuns nos primeiros dias da menstruação e podem ser acompanhadas por queda da pressão arterial, vômitos e desmaios, além de diarreia e até um leve desconforto ao urinar.

Quando buscar ajuda

Por sorte, existem algumas medidas que ajudam a conviver melhor com esse sofrimento. No entanto, quando elas não funcionam, é importante buscar um especialista, pois pode ser um problema mais grave. “Essas dores são consideradas excessivas quando passam a interferir na rotina diária da mulher, impedindo que consiga trabalhar ou estudar”, fala a ginecologista Cintia Pereira, da Rede de Hospitais São Camilo (SP). 

Veja abaixo maneiras eficazes de aliviar cólicas menstruais. Quando as práticas sugeridas aqui não funcionam, é o momento de procurar um ginecologista.


1. Escolha o anticoncepcional certo

Todo anticoncepcional com hormônios (como o DIU medicado, a pílula, o anel vaginal e até os adesivos) pode atuar reduzindo as cólicas menstruais. “O uso desses métodos bloqueia a ocorrência dos ciclos hormonais naturais da mulher e, dessa forma, diminui muito a cólica”, explica Cintia Pereira. Já o DIU de cobre não é indicado, podendo até mesmo aumentar o fluxo menstrual e as dores dessa fase.

2. Suspenda o cigarro o mais rápido possível

Fumar traz uma série de substâncias nocivas ao organismo, incluindo a nicotina, que possui, entre outros efeitos, o poder de reduzir o calibre dos vasos sanguíneos. “Esse efeito vasoconstritor atua na musculatura lisa de vários órgãos, tendo a capacidade de potencializar o quadro de cólicas”, fala a ginecologista Viviane Monteiro. Mais um motivo para deixar esse hábito para trás.

3. Aposte em massagens locais

Quando bem-feitas (leia-se: por profissionais), podem trazer diversos benefícios. “Os movimentos que estimulam as fibras nervosas periféricas, por meio de uma série de mecanismos envolvendo o sistema nervoso periférico e central, desencadeiam várias ações benéficas: analgésica, calmante e relaxante muscular”, enumera a ginecologista Elba Lúcia Wanderley. No entanto, se mal aplicadas, podem piorar o quadro; por isso, tome cuidado na escolha do massagista.

Não acabou por aqui, não! Se você quer conhecer outras maneiras eficazes de aliviar cólicas menstruais, basta garantir a edição 345 da Corpo a Corpo! Então corra para a banca ou adquira a sua CORPO aqui treino → https://goo.gl/Gqj97g

O artigo Conheça maneiras eficazes de aliviar cólicas menstruais – em Mulher de Corpo
foi originalmente publicado em http://corpoacorpo.uol.com.br/blogs/blogs/mulher-de-corpo/conheca-maneiras-eficazes-de-aliviar-colicas-menstruais/12079

Saiba como manter seus tênis de treino sempre limpos – em Treino sob medida

Por mais que eles não aparentam estar tão sujos, é importante manter uma boa higienização dos tênis! Confira algumas dicas para limpar seus pares sem danificá-los!

Por Karine César | Foto Shutterstock | Adaptação web Ana Paula Ferreira

Seu companheiro de atividades físicas já está precisando passar por uma limpeza daquelas? Então anote as dicas aí: a lavagem dos tênis precisa ser manual, e ele não pode ser deixado de molho, nem ser colocado na máquina de lavar — por mais tentador que isso possa parecer.  Além disso, o ideal é que a higienização seja semanal, mas pelo menos a cada dois meses é preciso fazer uma lavagem mais profunda. 

Dica prática

Se você é daquelas que adora praticidade, o serviço Corra Sem Preocupação (CSP) pode te ajudar. Eles buscam o calçado na sua casa, limpam e entregam em três dias úteis. Até cacos de vidros são retirados cuidadosamente com o auxílio de uma pinça. “Eles entram na entressola de borracha e podem furar a palmilha”, diz Silvia Herrera, corredora e criadora do CSP. O serviço de limpeza com delivery custa R$ 50 (o par) e pode ser agendado pelo site corrasempreocupacao.wixsite.com/tenis. Por enquanto, está disponível apenas em São Paulo.

Quer conferir mais sobre cuidados acessórios para treino? Então, corra para as bancas ou garanta a sua Corpo a Corpo aqui!

O artigo Saiba como manter seus tênis de treino sempre limpos – em Treino sob medida
foi originalmente publicado em http://corpoacorpo.uol.com.br/fitness/fitness/treino-sob-medida/saiba-como-manter-seus-tenis-de-treino-sempre-limpos/12078

Após inalar gás do riso, jovem australiana pode nunca mais voltar a andar

Veja a matéria completa sobre Após inalar gás do riso, jovem australiana pode nunca mais voltar a andar e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.


Jovem que inalou gás do riso passa por reabilitação, mas médicos acreditam que ela não deve voltar a andar

Pixabay

Uma estudante universitária da Austrália pode ficar sem andar depois de ter inalado uma droga, popularmente chamada pelos jovens de gás do riso. A mulher, que tem mais de 20 anos e não teve o nome revelado, chegou a inalar cerca de 360 recipientes de óxido nitroso.

Leia também: Drogas psicodélicas podem causar benefícios para o cérebro, diz estudo

Essa é uma substância anestésica, geralmente utilizada por quem vai passar por algum procedimento cirúrgico, com finalidade de ficar mais relaxada antes de receber outros anestésicos mais fortes. Porém, o gás do riso
também é utilizado por jovens como droga recreativa, por causar relaxamento e sensação de felicidade, como a de quem bebeu demais.

No caso da australiana, que fez o uso do hilariante repetidamente, os danos que sofridos atingiram nervos na medula espinhal, e os médicos acreditam que ela não deve se recuperar totalmente. Atualmente ela passa por um processo de reabilitação para aprender a caminhar novamente.

A substância é bastante comum entre o público juvenil em países europeus. Centenas de milhares de latas de óxido nitroso
são inaladas a cada ano e muitas vezes são descartadas em parques e locais públicos, conforme afirmou o jornal Metro, do Reino Unido.

A história da estudante foi relatada no programa 7.30 da emissora australiana ABC, com o intuito de desencorajar outros jovens a usarem o gás e como um apelo para a proibição e fiscalização do uso da droga popular – já associada a uma série de mortes, segundo relatou algumas autoridades médicas.

Leia também: Nos EUA, 25% dos pacientes com câncer usam maconha como complemento terapêutico

Danos irreparáveis

Entrevistado durante o programa, o toxicólogo Andrew Dawson contou sobre um dos inúmeros casos que atendeu envolvendo pacientes com histórias relacionadas ao óxido nitroso. “Muito recentemente, eu atendi um rapaz de 20 anos de idade, cujo cérebro parecia ter o mesmo nível de dano de um alcoólatra que estava bebendo há 40 anos”, contou ele. “Nos últimos anos, tivemos uma duplicação do número de chamadas de hospitais relacionadas a pessoas significativamente afetadas pela exposição ao óxido nitroso”, ressaltou.

A droga
pode ocasionar danos irreparáveis. “Esses efeitos resultam em lesões graves do nervo, ou às vezes lesões cerebrais que podem levar à morte. Houve um aumento real nos últimos dois anos de casos desse tipo. Esses óbitos podem ter relação com qualquer coisa, desde a explosão dos pequenos cilindros usados para inalar o gás, até as pessoas se tornando hipóxicas – isto é, com pouco oxigênio – devido ao uso excessivo”.

A venda da droga foi ilegal no Reino Unido em 2015, mas a lei está sendo revisada. Isso porque há um embate que gira em torno do gás, que também é usado pelos médicos como alívio da dor.

Leia também: Droga usada para controlar ansiedade e insônia mata mais que cocaína e heroína

O artigo Após inalar gás do riso, jovem australiana pode nunca mais voltar a andar foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/saude.ig.com.br/2017-10-17/gas-do-riso-sem-andar.html