Guia de sobrevivência para o Carnaval – em Mulher de Corpo

Trio elétrico,bloquinho, balada, praia… A programação é tão intensa no Carnaval, que seguir firme e forte até a quarta-feira de cinzas (sem virar pó) pode ser uma tarefa para os fortes. Vem saber como conseguir

Por Daniel Navas 



Aposte nestes cuidados para curtir o Carnaval

do começo ao fim!

Passadas as festas de fim de ano, nosso foco é um só: curtir o Carnaval. Se seus planos incluem curtir a folia do primeiro ao último dia com o mesmo pique, é bom prestar atenção ao que come e bebe durante o feriado, assim como preparar seu corpo para tanta diversão! Reunimos dicas que podem fazer toda a diferença entre um Carnaval para ficar na memória ou que acaba antes da hora.

1. Bebeu água?

Chegue na folia bem hidratada – tente beber 500 ml de água, aos poucos, antes de sair de casa – e não esqueça de reabastecer ao longo do percurso, ainda mais se o calor e a transpiração forem intensos. Se a brincadeira incluir bebida alcóolica, então, intercale os drinques com um copo de água. Água de coco e sucos de frutas também são alternativas para repor líquidos e sais minerais – o suor os leva embora e você pode sentir tontura e até desmaiar. 

2. Não vale segurar o xixi!

Ninguém merece ficar refém dos banheiros químicos ou de lugares públicos, mas é melhor correr para um deles na hora da vontade do que prender o xixi. “Urinar é importante para limpar a uretra, eliminando microrganismos que podem causar infecções urinárias”, avisa Patrick Bellelis, ginecologista e diretor da Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva (SBE). Leve pedaços de papel higiênico ou um pacote de lenços umedecidos para se limpar com segurança e, se perceber que o local não está limpo, evite encostar no vaso. Com isso, você impede que bactérias sejam levadas para a região íntima e também evita doenças.

3. Vista-se para curtir

Esqueça peças com tons escuros, que retêm mais o calor. Aposte em cores claras e tecidos leves, de preferência, que permitam que o suor evapore. Para os pés, escolha tênis, os mais confortáveis – rasteiras e chinelos podem machucar e ficar pelo caminho. Ganhou bolhas nos pés? Não estoure para não infeccionar; espere que cicatrizem naturalmente. Para diminuir o atrito com o sapato e o incômodo, cubra-as com curativo ou gaze.

Não acabou por aqui, não! Na edição 338 da Corpo a Corpo você encontra mais o guia completo de sobrevivência para o Carnaval! Então corra para a banca ou adquira a sua CORPO aqui →https://goo.gl/oa4AH2

O artigo Guia de sobrevivência para o Carnaval – em Mulher de Corpo
foi originalmente publicado em http://corpoacorpo.uol.com.br/blogs/blogs/mulher-de-corpo/guia-de-sobrevivencia-para-o-carnaval/11265

Febre amarela faz cinco cidades entrarem em situação de emergência

Veja a matéria completa sobre Febre amarela faz cinco cidades entrarem em situação de
emergência e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.


Atualmente, apenas os mosquitos silvestres Haemagogus e Sabethes transmitem o vírus da febre amarela no Brasil

Shutterstock

Em portarias publicadas no Diário Oficial da União nesta segunda-feira (20), o governo federal reconheceu situação de emergência devido ao surto de febre amarela em cinco cidades brasileiras: Coronel Fabriciano, Governador Valadares, Manhumirim e Teófilo Otoni, em Minas Gerais, e Ibatiba, no Espírito Santo.


LEIA MAIS: Carnaval também exige cuidados contra a febre amarela, alertam especialistas

Com a decisão da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, vinculada ao Ministério da Integração Nacional, os municípios poderão solicitar apoio emergencial para ações de socorro e assistência à população afetada pelo surto de febre amarela
.

Apesar da situação de emergência, três das quatro cidades mineiras beneficiadas pela medida não têm nenhum caso confirmado da infecção aguda. Segundo o último boletim epidemiológico divulgado a Secretaria de Saúde de Minas Gerais, Coronel Fabriciano, Governador Valadares e Manhumirim contabilizam juntas sete casos em investigação e três foram descartados. Entretanto, as unidades de saúde destes municípios estão recebendo pacientes de cidades vizinhas.

Já Teófilo Otoni tem nove confirmações para a doença e mais 24 casos em investigação. O município também confirmou sete mortes por febre amarela e há mais 17 sendo analisadas. Além disso, próximo ao município estão as duas cidades com maior quantidade de óbitos confirmados: Ladainha, com 12 mortes por febre amarela, e Itambacuri, com oito.

O boletim divulgado nesta segunda-feira pelo Ministério da Saúde aponta que foram confirmados 274 casos da doença em todo o Brasil. De 208 óbitos notificados, 92 foram confirmados, 113 ainda são investigados e três foram descartados.  Além de Minas Gerais e Espírito Santo, São Paulo, Bahia, Tocantins e Rio Grande do Norte também foram afetados pelo surto.

No caso da cidade capixaba que entrou para a situação de emergência, não ocorreram óbitos, mas há oito casos suspeitos e, em cinco deles, os pacientes estão em estado grave.

Situação de Emergência

O Ministério da Integração Nacional explica que, entre os critérios para reconhecimento da situação de emergência, estão a dificuldade no controle da doença, a existência de danos humanos consideráveis e a possibilidade de se normalizar a situação a partir do apoio complementar dos governos estaduais ou federal.


LEIA MAIS: Município de Santo André registra primeira morte por febre amarela

No início de janeiro, o governador mineiro Fernando Pimentel já havia decretado situação de emergência em saúde pública em uma área que abrange 152 municípios por conta da febre amarela.

*Com informações da Agência Brasil

O artigo Febre amarela faz cinco cidades entrarem em situação de
emergência foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/saude.ig.com.br/2017-02-20/febre-amarela-situacao-emergencia.html

Bruxismo: entenda o ranger dos dentes

Veja a matéria completa sobre Bruxismo:
entenda o ranger dos dentes e fique por dentro de como cuidar da sua saúde.


Bruxismo pode causar desgastes nos dentes, estalos ao abrir a boca e dores nos músculos mastigatórios ou de cabeça

Shutterstock

Se você acorda com dores de cabeça e sensação de dentes travados, pode estar com Bruxismo. Chamado ranger de dentes, é um hábito involuntário que afeta adultos e crianças. É também um sintoma de algo que não está bem e que precisa ser corrigido – a pessoa pode estar com uma pressão mental ou emocional forte


LEIA MAIS: Implante dentário: Dr. Bruno Puglisi explica o procedimento a Maria João

Estes problemas precisam ser detectados e corrigidos o mais rapidamente possível para que não se venham a desenvolver problemas mais graves, além do bruxismo
. Com a vida que levamos hoje em dia, o estresse e a ansiedade podem ser os principais desencadeadores deste transtorno. Além disso, as drogas, álcool, cigarro, alguns medicamentos psiquiátricos e o desalinhamento dental podem também ser fatores do aparecimento do problema.

As pessoas acabam não percebendo que estão rangendo os dentes, pois estão dormindo e só vêm a se queixar quando o problema já está avançado e os sinais já aparentes, por isso é sempre bom a avaliação profissional para prevenir as consequências do ranger dos dentes.


LEIA MAIS: Dr. Bruno Puglisi diz a Maria João como são feitas as lentes de contato dental

Ele pode nos trazer problemas graves como desgastes nos dentes (começam a diminuir), estalos ao abrir a boca, problemas na ATM (Articulação do Temporo Mandibular), dores nos músculos mastigatórios, dores de cabeça, dores de ouvido, no pescoço e distúrbios no sono.

Tratamento


Placas de relaxamento feitas pelo dentista podem proteger os dentes e evitar o desgaste provocado pelo bruxismo

Shutterstock

Não existe um tratamento que resolva as causas de ranger os dentes, no entanto, ele pode aliviar o desconforto que causa o bruxismo e evitar danos posteriores. Geralmente o trabalho é multidisciplinar, entre o dentista e o medico.

Placas de relaxamento feitas pelo dentista podem proteger os dentes e evitar o desgaste dental, além de proteger a articulação. Elas geralmente são utilizadas na hora de dormir.


LEIA MAIS: Dr. Bruno Puglisi revela para Maria João os segredos da bichectomia

Exercícios de fisioterapia, tratamento térmico e massagem também ajudam a relaxar os músculos da mastigação. Além disso, pode-se fazer aplicação de Toxina Botulínica (conhecida como botox), que auxilia no relaxamento muscular. Quando aplicados nos músculos de mastigação e fechamento de boca, ele promove um relaxamento muscular e diminui o apertamento dental.

Já um tratamento psicológico poderá tratar o estresse e ansiedade que promovem o bruxismo. Além disso, uma boa alimentação, prática de esportes e uma vida saudável sempre só farão bem a todos.

O artigo Bruxismo:
entenda o ranger dos dentes foi originalmente publicado em http://saude.ig.com.br/saude.ig.com.br/colunas/bruno-puglisi-odontologia/2017-02-20/bruxismo.html